Na livraria

Na livraria

Projeto estimula nos estudantes o gosto pela leitura e o interesse pelas artes plásticas

postado em 20/06/2015 00:00
 (foto: Fotos: Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press)
(foto: Fotos: Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press)

Todo segundo sábado do mês, a Livraria e Café LeCalmon, localizada na 111 Sul, promove o projeto Arte com livro. A iniciativa busca introduzir os estudantes do ensino fundamental no universo das artes plásticas e da literatura. A partir da leitura de um livro recém-lançado, os estudantes confeccionam em sala de aula peças artesanais relacionadas à narração e expõem o resultado na livraria, aos sábados.

No último sábado (13), o lançamento da vez foi O elefante azul, da autora Sandra Celecina, 32 anos. Manuela Carvalho, 11, Marcele Brito, Júlia Lacerda, Isadora Soares, Gabriela Betini e Letícia Pimentel, 10, alunas do Colégio Moraes Rego, fizeram a leitura da obra, elaboraram pequenos elefantes azuis com material recicláveis e escreveram bilhetes explicando por que indicam o livro de Sandra, que é professora da escola. Toda a arte produzida pelas alunas enfeita a vitrine da livraria.

Antes de ser publicado, o livro foi testado em sala de aula e teve a aprovação da turma. A inspiração de Sandra veio do que ela observava no dia a dia: ela percebeu como cada um tem um jeito singular. O elefante azul conta a história de Benjamin, que era muito diferente dos demais da manada.

; Na minha cabeça, os elefantes são prepotentes, criaturas que não se misturam com outros animais. O Benjamin, que é o protagonista, se dá bem com todos os outros habitantes da floresta, e isso incomoda, conta a autora.

O incômodo é tanto que os outros elefantes forçam Benjamin a entrar, todas as manhãs, em uma piscina, para ser pintando de azul, e ser visto por todos como alguém diferente dos demais.

; Todo mundo quer ser aceito, mas, o que nos torna legais são exatamente as diferenças. Seria muito sem graça se todos fossem iguais, explicou Sandra.

A professora tem um filho de 8 anos com problemas auditivos e, a partir dessa experiência, quer mostrar, no livro, como é importante se aceitar.


; Ele aprende com dificuldade, mas é tranquilo em relação ao desempenho escolar. Não considera os outros superiores por escutarem melhor. Ele é bem resolvido e costuma até dizer: ;Sou assim mesmo e acabou;.

Manuela Carvalho achou o livro legal:

; Fala de respeito às diferenças. Gostei também do discurso do Benjamin. Os outros elefantes precisam aceitá-lo porque ele é um deles.

Para Gabriela Betini, a história é muito interessante

; Eu gosto muito da parte que o jabuti mostra um espelho para o Benjamin para que ele se reconheça como um animal bonito. É importante aceitarmos os outros. Todo mundo tem seu jeito, ninguém é igualzinho, e isso é bom.


Lançamento
; Hoje, às 17h, será feita outra leitura do livro, na Livraria e Café LeCalmon, na 111 Sul, com uma sessão de autógrafos com a autora.

Para participar
; Se o seu colégio tem interesse em participar do projeto, o professor deve ligar para 3345-6233.



Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação