Realidade virtual caseira

Realidade virtual caseira

postado em 23/07/2015 00:00

Um momento de auge para os óculos de realidade virtual. Por um lado, grandes empresas, como Microsoft, Sony e Facebook, contam com projetos bem encaminhados nessa área. Por outro lado, a indústria de games e do cinema se movimenta para lançar conteúdos próprios para essa nova ;realidade;. E não pense que ter acesso a essa tecnologia vai ser exorbitante. Pelo contrário, é possível fazer um desses objetos em casa.

Apresentado pela primeira vez durante a Google I/O de 2014, o Project Cardboard é a forma encontrada pela gigante das buscas on-line para oferecer uma experiência de realidade virtual simples, divertida e, acima de tudo, acessível. Diferentemente dos outros óculos de realidade virtual, o dispositivo da Google pode ser feito em casa, utilizando algumas tiras de papelão, elástico, duas lentes e um smartphone.

A ferramenta pode levar você a viajar pela Terra, com o Google Earth; visitar o fundo do mar, com o Sea World VR; assistir ao show do seu artista favorito, por meio de um dos novos vídeos em 360 graus do YouTube; entre outras centenas de opções. Um aplicativo oficial também foi criado especialmente para os óculos de papelão.

O Cardboard é apenas mais um dos diversos dispositivos que foram lançados desde que o Facebook desembolsou US$ 2 bilhões para comprar os direitos de produção do Oculus Rift, em março do ano passado. O analista de TI Wellington Rodrigues, 36 anos, teve sua primeira experiência de realidade virtual após a mulher dele ganhar um Cardboard em um sorteio no trabalho. Wellington diz que utiliza o dispositivo principalmente para jogar e explorar ambientes. ;Dá para viajar para qualquer lugar do mundo;, comenta. O analista relata que ficou fascinado quando utilizou a ferramenta pela primeira vez. ;Todo mundo pode ter realidade virtual com um óculos de papelão. A empresa conseguiu trazer para as pessoas tecnologia de ponta a um custo baixo.;

Avanço
Felipe Coimbra, diretor da Nexus Realidade Virtual, explica que os dispositivos existentes no mercado não passam de kits para desenvolvedores e que terão um grande avanço nos próximos anos. ;Daqui a um ou dois anos certamente, equipamentos mais baratos e de maior qualidade estarão disponíveis no mercado;, acredita. Para Felipe, o Oculus VR continua sendo um dos aparatos mais inovadores e de maior impacto. O diretor diz que a realidade virtual terá uma importância similar à dos smartphones nos dias de hoje.

;Pessoas mais conectadas não conseguem ficar sem seus celulares. Acredito que estamos entrando na era da tecnologia vestível, com dispositivos cada vez menores e com maior poder de processamento. Podemos imaginar uma revolução na forma de usar a realidade virtual nos próximos anos;, relata. Felipe conta ainda que empresas como Facebook, Google, Microsoft, Sony e HTC já anunciaram versões para consumidor de seus dispositivos em 2016.

Tecnologias de realidade virtual também são desenvolvidas para áreas específicas. Alguns centros de saúde utilizam óculos de realidade virtual para tratar pacientes que sofrem de fobias. Construtoras e empresas de engenharias podem utilizar a tecnologia para mostrar a possíveis compradores maquetes 3D de prédios e complexos de apartamentos. Museus e centros acadêmicos contam com a possibilidade de aulas e demonstrações interativas, onde alunos e visitantes podem apreciar modelos e ;explorar; regiões.


Faça o seu

O dispositivo da Google pode ser construído com materiais encontrados em casa, veja o que é preciso:

Materiais
- 1 folha de papelão
- 2 lentes
- 1 lástico

Como montar
- Baixe e imprima o molde do Cardboard pelo www.google.com/get/cardboard/get-cardboard/
- Cole o molde de papel no papelão e recorte
- Dobre as partes pontilhadas e cole as extremidades
- Baixe um dos aplicativos desenvolvidos para o Cardboard e divirta-se


Diferente de aumentada
Apesar de poucas, existem algumas diferenças entre a realidade aumentada e a realidade virtual. Na primeira, há uma junção entre o real e o virtual. É a inserção de objetos virtuais no ambiente físico. Uma aplicação desenvolvida em Berlim, na Alemanha, usa a realidade aumentada para mostrar a visitantes de exposições fatos históricos que aconteceram naquele lugar, como a queda do Muro de Berlim. Já a realidade virtual consiste em um ambiente totalmente produzido, sintético. O usuário imerge em um ambiente que existe apenas em determinados aparelhos, como o Cardboard e o Oculus Rift.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação