Campeões também de curtidas

Campeões também de curtidas

Conquista de medalhas na competição faz crescer a popularidade dos atletas brasileiros nas redes sociais. Aumento de seguidores dos esportistas pode se reverter em patrocínios

Maíra Nunes
postado em 23/07/2015 00:00
 (foto: Ezra Shaw/AFP)
(foto: Ezra Shaw/AFP)


A convivência com os demais competidores, a pressão por resultados e a chance de observar os ajustes necessários à disputa das Olimpíadas ajudam a fazer dos Jogos Pan-Americanos um bom teste para os atletas em ano pré-olímpico. O evento, no entanto, compete com campeonatos mundiais de várias modalidades realizados durante a temporada. Assim, acaba ficando como segunda opção para esportistas de peso.

Com uma concorrência não tão acirrada, o caminho até o pódio ganha contornos menos tortuosos no maior evento multiesportivo das Américas. Nem por isso a competição perde prestígio diante da torcida. Prova disso é o aumento da popularidade dos competidores nas redes sociais durante as disputas. As conquistas em piscinas, tatames, quadras e pistas se revertem em comentários, curtidas e novos seguidores.

O nadador Brandonn Almeida que o diga. Na estreia dele em uma grande competição adulta, o paulistano de 18 anos se apresentou à torcida como a nova joia da modalidade brasileira. O ouro e o bronze que conquistou em Toronto fizeram a página oficial dele no Facebook subir em 82% a quantidade de curtidas apenas na última semana. O aumento percentual do nadador foi o maior até agora entre os medalhistas de ouro do Brasil neste Pan.

Apesar de ter se tornado o primeiro brasileiro campeão mundial de canoagem, em 2013, e conquistado o mesmo título no ano seguinte, Isaquias Queiroz seguiu como um ilustre desconhecido do público nacional até o Pan. No evento, viu a interação com o público aumentar de forma mais expressiva depois de ganhar três medalhas ; duas de ouro e uma de prata.

Nos dois dias em que atleta subiu no pódio em Toronto, o nome dele foi mencionado cerca de 1.500 vezes no Twitter. O que se falou do baiano de Ubaitaba em mensagens naquela plataforma, nos noticiários e na internet ajudou a aumentar em mais de 10% o número de pessoas acompanhando o competidor no Facebook.

;Às vezes, vamos para o Mundial da modalidade, que é muito mais importante, e poucas pessoas comentam a respeito;, observa o brasiliense Caio Bonfim, com a experiência de ter participado de dois Pans. ;O peso de um Pan é grande por ele ser muito valorizado no Brasil. A imprensa fica muito em cima, e todo atleta precisa de visibilidade;, ressalta Caio, que voltou de Toronto com o bronze na marcha atlética e 122 novos torcedores de olho nas publicações dele no Facebook.

Ferramenta
Mais relevantes do que o peso das medalhas no Pan são os cliques de curiosos nas redes sociais, as possibilidades de novos fãs e até de patrocínios e apoios que os feitos podem render. Nesse contexto, a internet se mostra uma ferramenta com grande potencial na construção da imagem do atleta. ;As empresas avaliam o nível de influência dos esportistas que pretendem patrocinar, inclusive, dentro das redes sociais, como o número de curtidas;, aponta João Rêgo, professor de marketing digital da Fundação Getulio Vargas.

O campeão olímpico Arthur Zanetti provou que há espaço para expandir as conquistas no ambiente on-line. Entre os brasileiros que conquistaram o ouro no Canadá, o ginasta foi o segundo que angariou mais fãs, atrás apenas do nadador Brandonn Almeida. Com um aumento de 42,1% de curtidas no Facebook, Zanetti passou os 17 mil torcedores atentos ao que ele anda postando na internet.


Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação