Monstro nervoso

Monstro nervoso

A moto italiana tem motor de dois cilindros, refrigeração líquida e pacote eletrônico que pode ajustá-lo com os freios, conforme a preferência. Preço inicial é de R$ 64 mil

» TÉO MASCARENHAS
postado em 23/07/2015 00:00
 (foto: Ducati/Divulgação)
(foto: Ducati/Divulgação)


A linha de motocicletas Monster, da italiana Ducati, ganhou mais um integrante. A caçula, no entanto, já nasceu com músculos e um motorzão de 1.200cm;, que pela primeira vez na família está equipado com sistema de refrigeração líquida. O mesmo dois cilindros disposto na tradicional arquitetura da marca, no formato da letra ;L;, além do palavrão ;desmodrômico;, no comando de válvulas ; que garante melhor desempenho em altas rotações, mas também produz um som rouco nem sempre afinado. São duas versões importadas. A Standard, com preço de R$ 64.900, e a S, de R$ 73.900.

A versão Standard tem potência de 135cv e um torque de 12kgfm a 7.200rpm. A versão S, mais nervosa, entrega 145cv e torque de 12,6kgfm a 7.250rpm. As duas, porém, contam com vasto arsenal eletrônico integrado, que modula o motor, o controle de tração, o acelerador e os freios em um sistema que a marca batizou de Ducati Safety Pack (DSP). São oito níveis de controle de tração, três de atuação do ABS, três do acelerador e mais três de mapeamento do motor.

Não é difícil rodar com a máquina. Para facilitar, o banco pode ser ajustado na altura, entre 795mm e 810mm.

Na pista

A Monster 1200 é uma espécie de dragster nas arrancadas, e pode ser monitorada no painel totalmente digital, que muda a forma de apresentação das informações conforme o mapeamento do motor escolhido. No modo Sport, o mais apimentado, por exemplo, o conta-giros fica em destaque. Porém, se a moto anda muito, também breca muito. Na dianteira, são dois discos de 320mm de diâmetro, com pinças Brembo radiais de quatro pistãos.




Na traseira, um disco de 245mm de diâmetro. A suspensão dianteira é invertida (Kayaba), com tubos de 43mm, e a traseira (Sachs), mono. A versão S tem suspensões mais sofisticadas, Ohlins, complementando o DNA esportivo. O câmbio é de seis marchas e capa de banco removível, na cor da moto.



Estilo
A Monster foi lançada em 1993, projetada por Miguel Galluzzi. De lá para cá conservou praticamente as mesmas linhas, mas ainda encanta a freguesia. É uma moto com cara de moto, sem firulas de estilo, ou carenagens, além de um propulsor que fica à mostra, igual ao que equipa os modelos Diavel e Multistrada, que impõe respeito e justifica o nome. Outra característica preservada é o quadro em formato de treliça e integrado ao motor para aumentar a rigidez e reduzir o peso. Nesse quesito, a balança acusa reforçados 182kg de peso.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação