O rombo é ainda maior

O rombo é ainda maior

postado em 01/08/2015 00:00


Descobre-se a cada dia que o preço que a sociedade paga pelos desmandos na gestão do dinheiro público nos últimos anos, especialmente em 2014 ; ano eleitoral ;, é muito mais alto do que admitiu o primeiro governo de Dilma Rousseff. Apesar de todo o aperto nas cotas do Orçamento da União comandado pela equipe econômica nos primeiros meses do ano, o balanço fiscal do setor público consolidado registrou em junho inédito deficit primário R$ 9,3 bilhões.

Foi o pior resultado para o mês de junho desde o início da série histórica, em dezembro de 2001. Ou seja, em junho, como já tinha ocorrido em maio, não houve economia alguma para pagar os juros da dívida pública. Com isso, o superavit acumulado no primeiro semestre foi mais uma vez reduzido, ficando em R$ 16,2 bilhões, impressionante queda de 45% em comparação com a economia feita em igual período de 2014.

É assustador observar que, levados à conta dos últimos 12 meses ; usada para medir o ritmo anual da evolução fiscal ;, os maus resultados geraram deficit primário de R$ 45,7 bilhões, valor equivalente a 0,8% do Produto Interno Bruto (PIB) projetado para o ano. É, de saída, cinco vezes maior do que o modesto superavit de 0,15%, que restou do rebaixamento da meta fiscal anunciado na semana passada.

Está aí, portanto, mais uma sólida razão para a equipe econômica não continuar com a ousada promessa de economizar 1,13% do PIB este ano. Mesmo que a receita não estivesse sofrendo forte impacto negativo da recessão econômica, dificilmente a meta seria alcançada. Em meio aos detalhes do balanço fiscal do governo federal, chama a atenção o peso dos gastos com pagamentos de exercícios anteriores. Pedaladas ou não, os compromissos varridos para baixo do tapete para maquiar a realidade das contas públicas têm de ser quitados. É bom que isso ocorra logo para limpar o balanço fiscal do resíduo nem sempre legal.

Só em junho, a conta de subsídios e subvenções somou R$ 11,45 bilhões, mais que o dobro dos R$ 5,48 bilhões pagos em 2014. O diretor do Tesouro Nacional, Marcelo Saintive, não esconde que o aumento reflete o esforço da equipe econômica de colocar em dia compromissos postergados. É, sem dúvida, atitude louvável que contribui para recompor a perdida credibilidade das contas públicas. Afinal, representa inversão de postura em relação aos tempos do ministro Guido Mantega e do então diretor do Tesouro, Arno Augustin, ou seja, transparência em vez de maquiagem.

Não há outra saída para quem acaba de anunciar novos cortes de R$ 8,6 bilhões no Orçamento da União e calcula ter receitas R$ 122 bilhões menores do que as do ano passado. Só as obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e os orçamentos da saúde e da educação, que já tinham sido podados, terão, agora, novo corte de R$ 4,9 bilhões.

São melhoramentos e serviços públicos que deixarão de beneficiar a população, a menos que o Congresso aprove na totalidade o que falta do ajuste fiscal e o governo desça do pedestal para reduzir de fato o tamanho da máquina, cortando, por exemplo, os incontáveis cargos em comissão criados nos últimos anos. A outra saída seria mais aumento de impostos, essa sim, inaceitável.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação