Musical carnavalesco

Musical carnavalesco

Pela primeira vez desde a estreia no Rio de Janeiro, o musical Sassariquinho vem a Brasília e traz para o Teatro da Caixa 40 marchinhas de carnaval

postado em 01/08/2015 00:00
 (foto: Leo Aversa/Divulgação)
(foto: Leo Aversa/Divulgação)

Já pensou soltar a voz na frente de uma plateia cheia de gente? Caio Mendonça, 12 anos, nem imaginava, mas passa todos os fins de semana em cima de um palco onde canta e dança com um elenco de atores no musical Sassariquinho; E o Rio inventou a marchinha, que desembarca no Teatro da Caixa hoje e amanhã com muitas histórias carnavalescas.

Apesar de ter atuado em novela e feito teatro, até outubro de 2013, Caio só cantava no chuveiro. Mas isso mudou quando a dupla de roteiristas Rosa Maria Araújo e Sérgio Cabral se uniu pra adaptar o musical Sassaricando, que apresenta marchinhas de carnaval. O espetáculo está há 8 anos em cartaz e foi visto por mais de 300 mil pessoas. A versão infantil tem direção de Cláudio Botelho em parceria com Renato Vieira, e, assim como Sassaricando, terá o repertório lançado em CD pela gravadora Biscoito Fino.

As tais marchinhas surgiram no Rio de Janeiro para falar dos costumes da sociedade carioca e se tornaram muito populares nos anos 1920 e 1960, épocas em que nossos avós adoravam ir para a rua acompanhar o lastro da folia do carnaval. Nesses dias, ninguém ficava parado. Em Sassariquinho, cada marchinha conta uma história, e os personagens são ninguém menos que os habitantes da cidade, pessoas comuns que têm potencial de transformar as situações do dia a dia em momentos inesquecíveis.

; O carnaval sempre foi importante para mim, eu gostava de sair na rua todo fantasiado, com a cara pintada, e de perceber que as músicas que tocavam eram as mesmas que meu avô cantava para mim quando eu era pequeno, lembra Caio.

Na época, o garoto não entendia por que o avô cismava com as tais marchinhas, achava que eram coisa muito distante dele, que ficou lá atrás, na poeira do passado. Mas, depois de estrear na peça e alegrar centenas de pessoas todos os fins de semana com músicas que marcaram a época mais festiva do ano, o ator ficou com uma percepção diferente sobre as marchinhas de carnaval.

; É a cultura do país, nossos avós adoravam as marchinhas e passaram o gosto adiante. Agora, é a nossa vez de conhecer uma das tradições mais divertidas do Brasil, conta Caio, entusiasmado.

; O mais legal das marchinhas é que elas mostram pra todos, independentemente da idade, que a vida pode ser bem-humorada sempre, só depende de como você olha para ela, diz Sofia Viamonte, 14 anos, que faz parte do elenco do musical.



Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação