O jogo embolou

O jogo embolou

Donald Trump foi o centro das atenções no primeiro debate entre os presidenciáveis da oposição republicana, mas corre o risco de ficar isolado. Analistas seguem apostando em Jeb Bush e veem a ascensão de Marco Rubio

Silvio Queiroz
postado em 08/08/2015 00:00
 (foto: Chip Somodevilla/Getty Images/AFP)
(foto: Chip Somodevilla/Getty Images/AFP)

Estrategistas de campanha, marqueteiros, a direção do Partido Republicano e os próprios candidatos ; sem falar no alto comando do Partido Democrata ; aguardam com ansiedade as primeiras pesquisas de opinião depois do debate da noite de quinta-feira entre os pretendentes à candidatura da oposição para a eleição presidencial de novembro de 2016. Acompanhado por audiência recorde, o confronto em Cleveland (Ohio), pontapé inicial da campanha para as primárias dos partidos, teve como personagem central o magnata Donald Trump, que lidera as preferências entre os eleitores republicanos. Mas analistas da imprensa americana seguem cautelosos sobre suas chances reais de obter a indicação do partido e sobre o cenário que se desenha para a disputa contra a ex-primeira-dama Hil-lary Cinton, favorita para disputar a sucessão de Barack Obama pela legenda governista.


Os principais jornais dos Estados Unidos e da Europa viram no palco o desfile de 10 pré-candidatos dirigindo-se a setores distintos e isolados de um partido e um eleitorado divididos. Em comum, o esforço de cada um para mostrar-se o crítico mais duro de Obama e o candidato mais qualificado a enfrentar Hillary. Todos os aspirantes à candidatura republicana condenaram o acordo nuclear firmado com o Irã e reforma da saúde pública impulsionada pela Casa Branca.


Foi no quesito ;anti-Hillary; que se sobressaiu o senador Marco Rubio, filho de cubanos radicados na Flórida, considerado uma estrela ascendente. ;O assunto nesta eleição deve ser o futuro, não o passado. Se for uma competição de currículos, Hillary Clinton será a próxima presidente;, afirmou, quando questionado sobre experiência administrativa. Rubio tem como adversário mais direto, no partido, o ex-governador Jeb Bush, filho e irmão de ex-presidentes e ex-governador da Flórida. Preocupado em não se indispor com os diferentes setores republicanos, ele aproveitou um apelo à unidade partidária para alfinetar a favorita dos governistas. ;Deus abençoou o Partido Republicano com candidatos muito bons. Os democratas não conseguem achar um sequer.;


;Rubio pode, com muita razão, ser apontado como o melhor desempenho no debate;, analisa Nate Cohn, do jornal The New York Times. Ela vê como contrapartida justamente uma performance algo decepcionante de Bush, tido com um dos mais sérios concorrentes. ;Bush não cometeu grandes erros e foi até bem em alguns momentos, mas perdeu a chance de resolver questões como a da guerra do Iraque;, que o pré-candidato critica, embora tenha sido conduzida pelo irmão George W. Bush, quando presidente. ;Suspeito que os insiders dirão que Jeb não foi bem, seja qual for o ângulo de análise.;


Desbocado
Foi a apresentação opaca de outro dos rivais considerados fortes, o ex-governador Scott Walker, que ajudou a realçar a presença de palco de Trump. Colocado seguidas vezes na berlinda pelos moderadores do debate, o bilionário preocupou-se apenas em reforçar a imagem que cultivou desde o lançamento da candidatura: um empresário, não um político, desbocado e sem compromissos com o establishment e suas normas. Embalado pelo endosso das pesquisas, Trump reafirmou as opiniões polêmicas sobre imigrantes e mulheres, chamou de ;estúpidos; os líderes americanos e reiterou a opção de disputar a Casa Branca como independente, se for derrotado nas primárias republicanas.


Dan Balz, colunista do Washington Post, observa, porém, que os números apurados pelos institutos se aplicam a um início de disputa atípico, com 17 concorrentes. ;Quando o terreno se definir melhor, ele se verá em uma batalha distinta, provavelmente menos favorável do que até agora;, argumenta Balz. Na contramão dos demais observadores, ele vê o desempenho de Trump como ;possivelmente o mais fraco; entre os 10 contendores no debate. ;Ele nem sempre teve respostas satisfatórias, enfrentou uma audiência um tanto hostil e, possivelmente, não terá daqui para a frente a mesma cobertura intensiva da mídia. Os assessores dos rivais devem ter saído sorridentes.;

A Fox News comemora
A Fox News comemorou uma audiência recorde de 24 milhões de espectadores para o debate principal da noite de quinta-feira entre os 10 principais candidatos do Partido Republicano à Presidência. De acordo com a emissora, foi a transmissão mais assistida da história da tevê a cabo nos Estados Unidos, com exceção de eventos esportivo, com o dobro dos 11,8 milhões que acompanharam, em novembro de 2012, a cobertura da reeleição de Barack Obama. O debate de Cleveland também dominou as redes sociais na internet. Foi o assunto mais comentado no Twitter e esteve nas publicações de 7,5 milhões de usuários do Facebook.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação