As asas-deltas vão tomar conta do céu de Brasília

As asas-deltas vão tomar conta do céu de Brasília

Maíra Nunes
postado em 08/08/2015 00:00
 (foto: Gustavo Moreno/CB/D.A Press - 26/8/10)
(foto: Gustavo Moreno/CB/D.A Press - 26/8/10)


O céu da capital brasileira promete ficar ainda mais bonito e colorido a partir de hoje. Não pelo entardecer alaranjado, que nesta época de seca enche os
olhos, mas pelas asas-deltas que vão invadir o centro da cidade na disputa do Brasília Open de Voo Livre. A competição ocorrerá até o fim da próxima semana, exceto terça e quarta-feira. Em busca de pontos no ranking mundial, atletas do país e do exterior devem se lançar no céu daqui.

O torneio serve como teste para duas competições internacionais importantes que Brasília receberá nos próximos anos. Em 2017, a cidade será palco do Campeonato Mundial de voo livre, o maior evento da modalidade. Antes de receber os principais atletas do planeta, a capital ainda contará com o Pré-Mundial, daqui a um ano. ;Os pilotos estão vindo já para treinar aqui, enquanto a organização tenta se enquadrar nas regras da federação internacional;, comenta Beto Schmitz, da comissão de preparação dos eventos.

Hoje, a rampa do Vale do Paranã será aberta para os treinos oficiais do Brasília Open. Amanhã, ocorrerá a largada para valer do torneio composto por sete etapas. Nelas, os atletas recebem o trajeto, com as coordenadas dos pontos pelos quais precisam sobrevoar, aproximadamente uma hora antes do início da prova.

Nesse tempo, eles traçam a melhor estratégia para conciliar tanto velocidade quanto precisão. São duas formas de somar pontos: uma pela velocidade com que terminam o percurso, e a outra pela distância com que pousam da meta, localizada na Esplanada dos Ministérios. O campeão, aquele que acumular mais pontos em todas as etapas, deve ser conhecido no dia 15. Mas competições de voo livre são suscetíveis de alterações de datas, em função das condições meteorológicas.

O ponto das largadas é num lugar bem conhecido dos praticantes do Distrito Federal e das redondezas: o Vale do Paranã, em Formosa (GO). Para quem sai de Brasília, é preciso rodar 120km de carro até a rampa. Depois, pelo menos para os competidores, o trajeto se torna mais curto: são 72km em linha reta, pelo céu, até a Esplanada dos Ministérios.

Os mais rápidos devem chegar depois de três horas de voo. Sendo assim, a partir das 14h30, os brasilienses deverão ver os primeiros pousos. Mas até quem estiver distante do ponto de aterrissagens pode ver uma ou outra asa-delta. Isso porque, no voo livre, o equipamento é direcionado com base nas correntes de ar, que estão em constante mudança. Assim, não raro, pilotos pousam longe do alvo. Por isso, existe o resgate ; pessoas responsáveis por buscar de carro o atleta onde ele descer.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação