Grita geral

Grita geral

postado em 08/08/2015 00:00


PM / CGDF
Som alto de madrugada
Um leitor, que preferiu não ser identificado por medo de sofrer retaliações, contatou a equipe do Grita Geral (3214-1166) para reclamar do som alto de festas realizadas perto do local onde mora, na QS 10, Conjunto 220b, lotes 2 e 3, no Areal. Ele diz que a perturbação ocorre todas as sextas, sábados e domingos. ;Ninguém aqui consegue dormir nesses dias, pois tem um pessoal que sempre faz festa em residências ou na rua, com o som de carros. Já liguei várias vezes para o 162, mas nunca consigo falar, ninguém me atende. Também já liguei na Polícia Militar e sempre dizem que alguém vai ao local para ver a situação, mas ninguém aparece;, diz.

; A Controladoria-Geral do Distrito Federal informa que a Central 162 da Ouvidoria Geral funciona de segunda a sexta-feira, das 7h às 21h. Aos sábados, domingos e feriados, o atendimento é reduzido, das 8h às 18h. A ligação é gratuita e deve ser feita de telefone fixo. O 17; Batalhão de Polícia informa que a unidade recebeu reclamações sobre som alto na quadra citada, e que o caso citado pelo morador pode ser considerado perturbação da ordem. A Polícia Militar do Distrito Federal esclarece, no entanto, que o reclamante deve formalizar a denúncia na 21; DP. As equipes buscam orientar os moradores, mas não é possível obrigar que desliguem o som sem a formalização do registro da ocorrência, sob pena da equipe policial incorrer em abuso de autoridade.


SEOPS
Resposta da algazarra
A leitora Juliana Andrade enviou uma mensagem ao WhatsApp do Correio (9256-3846) reclamando da presença e atividades de integrantes do Movimento Sem-Terra no estacionamento do Ministério da Fazenda. ;Não bastasse toda a algazarra que eles aprontam, os servidores dos prédios próximos se deparam com ligações clandestinas de água e energia elétrica, colocando em risco os próprios prédios;, diz. Ela também acredita que ;os sem-terra arranham e amassam carros de servidores estacionados na região propositalmente;. ;Quem vai arcar com os prejuízos desses servidores públicos, que saem de casa para trabalhar em prol da sociedade e ainda veem seu patrimônio particular avariado?;, reclama.

; A Secretaria da Segurança Pública e da Paz Social esclarece que, apesar dos transtornos, o direito à livre manifestação é garantido constitucionalmente. Para preservar esse direito e também o direito daqueles não envolvidos nos protestos em áreas públicas, a secretaria monitora os manifestantes por meio das forças de segurança (Polícias Militar, Civil, Bombeiros e Detran). Se, durante o policiamento, forem flagrados delitos como os descritos pela leitora, os autores serão conduzidos à 5; Delegacia da Polícia Civil.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação