Em Minas, Aécio estreia nos protestos

Em Minas, Aécio estreia nos protestos

Presidente do PSDB participa, pela primeira vez, de atos contra o governo, ao lado de 6 mil pessoas, em Belo Horizonte. Tucano diz que caberá aos brasileiros tirar o país da crise

Flávia Ayer
postado em 17/08/2015 00:00
 (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press)
(foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press)


Belo Horizonte ; Antigo centro do poder de Minas Gerais e cenário histórico de lutas políticas, a Praça da Liberdade, no coração de Belo Horizonte, foi palco ontem de uma manifestação contrária ao governo da presidente Dilma Rousseff. De acordo com a Polícia Militar, o ato reuniu 6 mil pessoas, mas os organizadores calculam público de 30 mil. O candidato derrotado à Presidência, senador Aécio Neves (PSDB-MG), escolheu a capital mineira para participar, pela primeira vez, dos protestos contra a petista.

Estrela da manifestação, Aécio reforçou que não estava presente ali como líder partidário. ;Meu partido é o Brasil;, disse, ao subir em dois trios elétricos a convite dos manifestantes. Acompanhado de tucanos e políticos da oposição, ele compareceu ao ato de camisa amarela e, nos 30 minutos em que permaneceu na praça, causou tumulto e empurra-empurra entre os participantes, que queriam tirar fotos com o senador.

Apesar de se apresentar como cidadão comum, Aécio foi aclamado como ;futuro presidente; e não poupou críticas ao governo. ;Venho aqui como cidadão, indignado com a corrupção, com a mentira e a incompetência desse governo que vem fazendo tão mal aos brasileiros, com inflação saindo do controle e juros na estratosfera. Essa é a obra de um governo que não priorizou interesses do país, priorizou seus próprios interesses e sua manutenção no poder;, afirmou. Aécio reforçou que são os brasileiros que vão tirar o país da crise. ;O Brasil vai encontrar seu caminho pela força de sua gente e pelas manifestações. Não sei se esse governo consegue superá-la (a crise).;

Feridos
O desentendimento entre fiscais da prefeitura, ambulantes, organizadores da manifestação e a PM provocou um início de tumulto na Praça da Liberdade, que terminou com uma pessoa presa e cinco feridas. Com a justificativa de que a lei proíbe a venda de produtos em locais públicos sem autorização, os fiscais tentaram recolher Bandeiras do Brasil e camisetas.



"O Brasil vai encontrar seu caminho pela força de sua gente e pelas manifestações. Não sei se esse governo consegue superá-la (a crise);
Aécio Neves, senador e presidente do PSDB



Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação