MÁQUINAS DO TEMPO

MÁQUINAS DO TEMPO

postado em 24/08/2015 00:00

Pior ataque do
mundo faz 20 anos

A comissária de bordo contava 1, 2, 3 como se fosse regente de um coral e os passageiros da falida empresa aérea Varig cantavam o jingle que virou moda em 1995: ;560km, 560km, pare um pouquinho, descanse um pouquinho, 550km;. Era o ano do centenário do Flamengo e o bem sacado filme publicitário deu asas à imaginação dos rivais depois que o presidente rubro-negro, Kleber Leite, anunciou a formação do melhor ataque do mundo para o Brasileirão: Sávio, Romário e Edmundo.


Na próxima quinta-feira, o pior ataque do mundo completará 20 anos. Em 27 de agosto de 1995, Sávio, Romário e Edmundo jogaram juntos pela primeira vez uma partida oficial. Antes disso, o trio disputou um amistoso contra o Guarani e excursionou pela Ásia e a Europa. O primeiro teste a vera rolou contra o Bragantino, em São Januário. Desiludida após a perda do Carioca para o Flu naquele gol de barriga do Renato Gaúcho, a torcida não deu bola para a badalada comissão de frente: 6.625 pagantes na vitória por 2 x 1, gols de Edmundo e Romário.


O que aparentava ser o início perfeito de um ataque dos sonhos virou pesadelo. A contar da partida contra o Bragantino, o Fla disputou 36 partidas oficiais no segundo semestre de 1995. Sávio, Romário e Edmundo atuaram juntos em 12 jogos. Um terço! Ciúmes, falta de técnico, de time do meio de campo para trás e o grave acidente protagonizado pelo Animal, no Rio, no fim daquele ano de 1995, transformaram o investimento na maior piada do ano.


Das 12 partidas com Sávio, Romário e Edmundo juntos, o Flamengo venceu três, empatou cinco e perdeu quatro. Aproveitamento de 38,8%. Uma estatística, porém, mostra que o ataque tinha, sim, tudo para ser o melhor do mundo. Na dúzia de jogos com o trio em campo, o rubro-negro balançou a rede 13 vezes e sofreu 14. Romário fez sete; Edmundo, três; e Sávio, nenhum. Caçula entre os três, o prata da casa Sávio se intimidou jogando ao lado do Baixinho, eleito melhor do mundo em 1994, e do Animal, que havia conquistado tudo pelo Palmeiras.


A culpa de o melhor ataque do mundo virar pior foi do presidente Kleber Leite. Na tentativa de formar um time de galáticos, esqueceu do equilíbrio. O ataque tinha Sávio, Romário e Edmundo, mas, na retaguarda, estavam Pingo, Márcio Costa, Agnaldo, Ronaldão, Fabiano, Lira... Tudo para não dar certo.


O técnico Edinho não deu jeito no time, que caiu no colo do radialista Washington Rodrigues. E o Apolinho quase salvou o ano. Rubro-negro, levou o Flamengo à final da Supercopa dos Campeões da Libertadores usando a ;pedagogia do malandro;. Deu liberdade a Sávio, Romário e Edmundo e disse aos homens do setor defensivo: ;Vocês são a minha Swat. Nenhum adversário vai passar pela tropa de choque;. Deu receitas de higiene e até de relações humanas. ;A partir de agora, ninguém escova os dentes, se penteia ou faz a barba. Vamos assustar os caras na entrada em campo. Quando o adversário estender a mão e desejar boa sorte, vocês não os cumprimentem e digam: ;boa sorte é o c...;.
Assim, como se fosse um time de pelada, o Flamengo chegou à decisão da Supercopa e perdeu a última chance de conquistar um título no ano do centenário para o Independiente, da Argentina. Àquela altura, não havia mais ataque dos sonhos. O Animal se recuperava de um grave acidente. Sávio, Romário e Edmundo atuaram juntos pela última vez em 29 de outubro de 1995, no Maracanã, em um empate por 0 x 0 com o Vasco. No fim do ano, Edmundo foi negociado a contragosto com o Corinthians.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação