Falências aumentam 36,2%

Falências aumentam 36,2%

postado em 03/09/2015 00:00

Na esteira dos péssimos resultados da economia brasileira, as falências decretadas entre janeiro e agosto subiram 36,2% em relação ao período equivalente do passado. Já os pedidos de recuperação judicial e as recuperações judiciais deferida também seguiram tendência de alta: 39,9% e 33,6%, respectivamente, no acumulado do ano.

Os pedidos de falência das empresas aumentaram 14,2% entre janeiro e agosto em relação ao mesmo período de 2014. E a tendência de alta da insolvência das companhias deve continuar. A perspectiva é de que dificilmente o índice feche o ano abaixo de 15%. Os dados, com abrangência nacional, foram divulgados ontem pela Boa Vista Serviço Central de Proteção ao Crédito (SCPC).

Consumo em queda

Em agosto de 2015, o número de pedidos de falência aumentou 0,5% na comparação mensal e foi 18,2% maior em relação a agosto de 2014. O economista da Boa Vista SCPC Flávio Calife conta que o levantamento, feito desde 2006, apontou o pior resultado em 2012, com 13% de alta. ;Já superamos essa taxa e o número deve continuar subindo. Em 2012, havia aumento no consumo das famílias, o que não há mais;, ressaltou.

Calife explicou que as empresas sofrem mais do que os consumidores com a deterioração da economia e a inadimplência. ;As receitas estão menores e os custos não recuaram. Além disso, o crédito está mais restrito e muito mais caro;, ressaltou. Sem capital de giro, e com fraca geração de caixa, as empresas não conseguem novos empréstimos. ;O resultado é o pedido de falência;, resumiu o economista.

O indicador de falências e recuperações judiciais é construído de acordo com a apuração dos dados mensais registradas na base de dados da Boa Vista SCPC, apuradas em fóruns, varas de falências e nos diários oficiais da Justiça e dos estados. (SK)

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação