Intermediária boa de briga

Intermediária boa de briga

Com cabine dupla, voltada para o público urbano, a S10 Freeride reúne preço e opcionais atrativos, que estão em modelos sofisticados. Um dos problemas, no entanto, está no elevado consumo de combustível

postado em 03/09/2015 00:00
 (foto: Chevrolet/Divulgação)
(foto: Chevrolet/Divulgação)


No meio do ano, a Chevrolet apresentou mais quatro modelos de um total de sete da S10 ; Advantage, Freeride, a Chassis Cab e a nova top de linha High Country. O Veículos testou a Freeride, mesclando equipamentos e acessórios das demais versões da picape, ela supera a LS e a LT, ficando alocada antes da LTZ. Voltado para um público mais urbano, em versão única, o modelo traz cabine dupla, motor FlexPower 2.5 Ecotec de 206 cavalos (e) e transmissão manual de seis marchas por R$ 95,3 mil.
De série, a S10 apresenta sistema multimídia Chevrolet MyLink, ar-condicionado, computador de bordo, controle de cruzeiro (cruise control), air bag duplo, retrovisores elétricos, rodas aro 16, capota marítima, Santo Antônio e câmera de ré. Para diferenciar o modelo das demais, a Freeride tem adesivos decorativos nas laterais e na tampa traseira da caçamba.
Na direção da S10, o motorista só lembra de estar dirigindo uma camionete por causa da altura. Mesmo com o seu porte, o rolar da Freeride é leve, confortável e não pede muito esforço do condutor. No entanto, a altura é um dos poucos problemas da S10, o acesso ao interior do veículo ; principalmente para pessoas pequenas ; é complicado pela falta de um estribo lateral, complicando o movimento na hora de entrar e sair. Em vez do Santo Antônio, a montadora deveria ter investido no acessório de acesso, seria mais útil.
Outro problema ; comum e antigo na S10 ; é o espaço interno traseiro. Enquanto os ocupantes da frente viajam sem aperto e com conforto, os de trás sofrem com a falta de espaço. Uma pessoa de 1,8m no banco traseiro fica com a cabeça tocando o teto e com os joelhos elevados. Esse problema não é novo na picape da Chevrolet, mas vem melhorando com mudanças nos modelos ao longo dos anos.
No geral, a S10 Freeride é uma boa opção para quem deseja uma caminhonete para usar na cidade e não necessita de uma 4x4 a diesel. Entre erros e acertos, o modelo é bom ; principalmente pelo preço e pela entrega de equipamentos ; , seria excelente, se não fosse por um fator bastante problemático: o consumo. Durante o teste, o carro registrou a média de 6,3km/l na cidade, bem inferior à de alguns concorrentes.




Ficha técnica

S10 Freeride

Motores: 2.5 FlexPower Ecotec 206cv (e) a 6.000 rpm e torque de 27,3kgfm a 6.000rpm e 197cv (g) a 6.300rpm e torque de 26,3kgfm a 6.300rpm.
Dimensões: 5347mm comprimento; 1534mm largura; 1910mm altura e 3096mm distância entre-eixos;
Transmissão: manual de 6 velocidades (Freeride)
Direção: hidráulica
Capacidade de carga: 1011kg
Suspensão: independente com braços articulados na dianteira e Feixe de molas semi-elípticas de 2 estágios na traseira
Pneus: 245/70 R16 (Freeride)
Freios: disco na dianteira e tambor na traseira
Consumo: 6,4km/l


Na pista


Toyota Hillux

Motor: VVTi 2.7
Potência máxima: 163cv (e) e 158cv (g)
Torque máximo: 25,0kgfm (e) e 25,0kgfm (g)
Direção: hidráulica
Combustíveis: etanol/gasolina
Transmissão: manual de 5 velocidades
Peso: 1.805
Capacidade de carga: 755kg
Tamanho (A x L x C): 1.860 x 1.835 x 5.260mm
Preço: a partir de R$ 108,9 mil


Ford Ranger

Motor: 2.5 Duratec
Potência máxima: 173cv (e) e 168cv (g)
Torque máximo: 24,8kgfm (e) e 24,1kgfm (g)
Direção: hidráulica
Combustíveis: etanol/gasolina
Transmissão: manual de 5 velocidades
Peso: 1.909kg
Capacidade de carga: 1.291kg
Tamanho (A x L x C): 1.815 x 1.850 x 5.351mm
Preço: a partir de R$ 100,5 mil

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação