Confusão na forma de governar

Confusão na forma de governar

postado em 15/09/2015 00:00

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes afirmou ontem que houve ;uma confusão entre governar e fazer campanha eleitoral;, em uma crítica às políticas adotadas pela gestão Dilma Rousseff. ;O governo está em xeque de novo e se fala em necessidade de reforma política. Não vamos fazer reformas mais profundas neste contexto de crise;, disse o ministro, no Seminário Saídas para a Crise, em um painel que discute política e os rumos das mudanças.

Participaram da abertura do evento, na manhã de segunda-feira, além de Gilmar Mendes, o senador Romero Jucá (PMDB-RR); o presidente da OAB-SP, Marcos da Costa; o deputado e presidente da Alesp, Fernando Capez (PSDB); e o presidente da Fundação Padre Anchieta, Marcos Mendonça, entre outros. O seminário é promovido por OAB-SP, Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), Instituto de Estudos Avançados da USP e TV Cultura.

Para Gilmar Mendes, o problema da corrupção crescente no país não está vinculado às doações privadas para as campanhas eleitorais. ;Corrupção não tem a ver com financiamento eleitoral, mas com método de governança.;

O ministro criticou a crescente onda de corrupção no país que vem sendo desvendada pela Operação Lava-Jato. Segundo ele, a investigação deixou claro que se criou ;uma ;forma corrupta em toda a sua extensão;. E sem citar especificamente a gestão petista que comanda o país há cerca de 13 anos, defendeu que ;isso precisa ser encerrado;. Ele destacou que a política foi contaminada e estruturou-se no Brasil um modo de fazer política corrupta.

Em sua exposição, o ministro do STF comentou a ação direta de inconstitucionalidade impetrada pela OAB na Corte contra o financiamento privado de campanhas políticas. Ele disse que o pedido ;engendra um laranjal;, com doações ocultas sob pessoas físicas, por exemplo. ;Esperam de nós proibir doações privadas para campanhas eleitorais. Dizer que o problema da corrupção está neste sistema, não parece que seja assim.; E reiterou que, no seu entender, o problema é de governança.

;O governo está em xeque de novo e se fala em necessidade de reforma política. Não vamos fazer reformas mais profundas neste contexto de crise;

Gilmar Mendes, ministro do STF



Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação