Curtas

Curtas

postado em 15/09/2015 00:00
 (foto: Greg Wood/AFP)
(foto: Greg Wood/AFP)


; ESTADOS UNIDOS
EM DOIS MESES,
HILLARY CAI
21 PONTOS

Pesquisa encomendada pelo Washington Post/ABC, divulgada ontem, mostrou nova queda do apoio a Hillary Clinton. A ex-secretária de Estado americana aparece com 42% de apoio entre os democratas, uma queda de 21 pontos desde julho. Em segundo lugar, o senador Bernie Sanders conta, de acordo com a sondagem, com 24%, um aumento de 10 pontos percentuais no mesmo período. O vice-presidente Joe Biden, que avalia a possibilidade de entrar na disputa, surge em terceiro, com 21%, nove pontos a mais que nas pesquisas de julho. Sem a presença de Biden na disputa democrata, o apoio a Hillary Clinton sobe a 56%, enquanto Sanders chega a 28%. Donald Trump e Ben Carson lideram a disputa pela candidatura republicana, com mais da metade do apoio dos potenciais eleitores do partido em conjunto, segundo a sondagem.


; CHICAGO
PROFESSOR
ASSASSINADO
EM CÂMPUS

O professor Ethan Schmidt, 50 anos, foi morto ontem a tiros no câmpus da Delta State University, em Cleveland, no estado americano de Mississippi. O crime foi anunciado pela própria universidade, por meio de sua conta no Twitter. Schmidt, que lecionava história, teria morrido em seu escritório. O jornal SunHerald informou que a polícia buscava outro professor da universidade, Shannon Lamb, suspeito de estar envolvido no assassinato de uma mulher horas antes em uma localidade vizinha, assinalando que ambos casos poderiam estar relacionados. A Delta State é uma universidade pública com mais de 4 mil estudantes.


; AUSTRÁLIA
PREMIÊ
TONY ABBOTT
É DEPOSTO



Tony Abbott foi deposto ontem do cargo de primeiro-ministro da Austrália, depois de perder uma votação de censura dentro de sua coalizão, estimulada pelo magnata Malcolm Turnbull (foto). Abbott foi derrotado por 54 votos contra 44. Antes da moção, ele havia se mostrado confiante de poder sufocar a rebelião. ;Serei candidato e irei vencer;, afirmou. Turnbull, 60 anos, que se tornou o novo primeiro-ministro da Austrália, explicou que levou adiante o processo para depor Abbott por conta da crescente impopularidade do rival, o que aumentava as possibilidades de derrota nas próximas eleições, previstas para 2017. ;Precisamos de apoio, e não de mais slogans;, frisou Turnbull depois de eleito.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação