Envolto em expectativa

Envolto em expectativa

Um dos mais premiados diretores do país, Roberto Gervitz traz à tona um debate sobre liberdade no filme Prova de coragem

postado em 15/09/2015 00:00
 (foto: M. Schmiedt Produções/Divulgação)
(foto: M. Schmiedt Produções/Divulgação)


Somente por conta do emblemático Feliz ano velho (1987), Roberto Gervitz constaria da lista de grandes diretores nacionais. O longa, interpretado por Malu Mader e Marcos Breda, ganhou sete prêmios no Festival de Cinema de Gramado e levou um milhão de brasileiros ao cinema. Mas Roberto fez muito mais nos anos seguintes e se tornou um dos mais consagrados cineastas do país.

A exibição do longa Prova de coragem chega a Brasília envolta por muita expectativa, como acontece a cada nova obra do diretor, que participou da vertente paulista disposta a repensar o cinema nacional, nos anos 1980. No enredo do novo trabalho, um médico bem-sucedido planeja a escalada de uma montanha, quando acaba surpreendido com a notícia de que seria pai.

Ainda assim, ele insiste na empreitada. No dia de sua partida, mãe e criança entram em risco e um parto prematuro acaba sendo necessário. Os eventos provocam uma série de reflexões acerca da liberdade e do quanto estamos dispostos a exercê-la.

O protagonista (Armando Babaioff) retoma lições do passado enquanto encara as consequências dos atos presentes. O roteiro de impacto soa convidativo para reações expressivas da plateia, sejam elas quais forem. O público no Cine Brasília não costuma se intimidar. Resta saber como irá reagir diante de Roberto Gervitz.

O elenco
Armando Babaioff, Mariana Ximenes, Daniel Volpi, Áurea Maranhão, Cesar Troncoso, Nickolas Caprio, Marcele Tedy, Nicolas Vargas, Martín Fagundez, Caio Pereira, Bruno Barcelos, Fabiana Amorim, Wagner dos Santos, Pedro Martins e Márcia do Canto. Classificação indicativa: 12 anos.

O diretor
Em seu período de formação como diretor e roteirista, Roberto Gervitz trabalhou em diversas áreas da produção cinematográfica, particularmente na montagem e na edição de som de filmes de diretores como Ana Carolina e Hector Babenco, entre outros.

Em 1978, dirigiu o longa-metragem Braços cruzados, máquinas paradas, com Sérgio Toledo. Este documentário recebeu o
Prêmio Especial do Júri no Festival de Leipzig/79, e representou o Brasil no Fórum do Festival de Berlim.

Feliz ano velho (1986/87), seu primeiro filme de ficção, recebeu sete prêmios no Festival de Gramado (1988), atingindo 1 milhão de espectadores. Ainda em 1988, foi escolhido pelo meio cinematográfico como o diretor revelação, o então chamado prêmio Sarney. Em janeiro de 2005, lançou Jogo subterrâneo, baseado em um conto de Julio Cortázar.

Foi selecionado para inúmeros festivais internacionais, como San Sebastian e Mannheim-Heidelberg, sendo premiado em Palm Springs, Havana, Bruxelas, Miami, entre outros.

Ainda em 2005, dirigiu quatro episódios da série televisiva Carandiru ; Outras histórias. Nos anos seguintes, Gervitz desenvolveu roteiros de filmes e séries para Luiz Carlos Barreto e Hector Babenco. Lecionou direção e roteiro por dois anos, além de dar inúmeras palestras pelo país.


Programação (dia 21)

9h
Auditório II do Museu Nacional, acesso livre
II Oficina de Audiovisual para Professores,
com Ciro Marcondes

9h30
Cine Brasília
1; Festival de Filme de curta-metragem
das escolas públicas de Brasília
Homenagem a Vladimir Carvalho, premiação e exibição dos filmes vencedores

9h às 13h
Cine Cultura Liberty Mall, sala 1
Workshop: Cenografia de uma época ; criação e realização, com Rita Andrade e o artista plástico Andrey Hermusche

10h
Teatro Newton Rossi (Sesc Ceilândia), Teatro Paulo Autran (Sesc Taguatinga), Teatro Paulo Gracindo (Sesc Gama) ; escolas agendadas
da rede pública do DF
Festivalzinho ; livre
Mostra de filmes de curta-metragem com temática infantil em parceria com a Mostra de Cinema Infantil de Florianópolis

11h
Kubitschek Plaza Hotel, acesso livre
Debate com as equipes dos filmes das
mostras competitivas exibidos na noite
anterior no Cine Brasília

14h30
Kubitschek Plaza Hotel, acesso livre
Lançamento DBCA ; Diretores Brasileiros de Cinema e do Audiovisual
Biblioteca Nacional, auditório 2, acesso livre
II Encontro do Colegiado Setorial do Audiovisual do DF
Auditório II do Museu Nacional, acesso livre
3; Encontro de Experiências Educativas
no Audiovisual
Cine Cultura Liberty Mall, sala 4
Mostra Competitiva (reprise)
A outra margem, de Nathália Tereza,
26min, MS (12 anos)
História de uma pena, de Leonardo Mouramateus, 30min, CE (14 anos)
Santoro ; O homem e sua música, de John Howard Szerman, 85min, DF (livre)

17h
Cine Brasília, entrada franca
Mostra Brasília ; Troféu Câmara Legislativa do DF
Afonso é uma Brazza, de Naji Sidki e James Gama, 23min (14 anos)
Santoro ; O homem e sua música, de John Howard Szerman, 85min30 (livre)
Cine Cultura Liberty Mall, sala 4
Mostra Panorama Brasil
Asco, de Ale Paschoalini,
71min, SP (14 anos)

19h
Cine Cultura Liberty Mall, sala 4
Mostra Continente Compartilhado
En el nombre de la Copa, de Diego Marín Verdugo, Chile/Brasil, 2015 (14 anos)

20h30
Cine Brasília Mostra Competitiva
O sinaleiro, de Daniel Augusto, 15min, SP (16 anos)
O corpo, de Lucas Cassales, 16min, RS (18 anos)
Prova de coragem, de Roberto Gervitz,
90min, RS (12 anos)

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação