Noite de premiação

Noite de premiação

O último dia do festival será marcado pela expectativa em torno dos vencedores das mostras e pela exibição do filme Até que a casa caia

postado em 15/09/2015 00:00
 (foto: Breno Fortes/CB/D.A Press - 1/8/13 )
(foto: Breno Fortes/CB/D.A Press - 1/8/13 )


Depois de uma semana e dezenas de obras exibidas, chega-se ao último dia do Festival de Brasília do Cinema Brasileiro. Embora as mostras competitivas estejam encerradas, a tensão ainda paira no ar. Na verdade, mais do que nunca, já que a cerimônia de encerramento, à noite, revelará os vencedores desta 48; edição.

Ao todo, mais de R$ 600 mil serão distribuídos ao longo da noite. Os melhores longas, médias e curtas-metragens serão eleitos por júri técnico do festival e júri popular, além de premiações paralelas, que também são divulgadas durante o evento, como o Troféu Saruê, oferecido pelo Correio Braziliense. Diretores, atores, atrizes, fotógrafos, sonoplastas e demais profissionais envolvidos com as produções também são contemplados em categorias específicas.

;Desde 1986 participo do festival que acontece no cinema do bairro no qual cresci. É um ritual de encontro, reflexão e celebração do cinema nacional que oferece uma mirada diferenciada para a contemplação da vida no país;, conta o diretor Mauro Giuntini, responsável pelo longa Até que a casa caia, a ser exibido antes da premiação, de forma a encerrar o festival.

O próprio Giuntini resume o mote da fita: ;Um drama com pitadas de humor que trata dos dilemas entre acomodação e transformação, ao contar a história de um casal separado que continua morando junto;.

O elenco
Marat Descartes, Virginia Cavendish, Marisol Ribeiro, Emanuel Lavour, André Amaro, Bidô Galvão, Juliana Drummond, Chico Sant;Anna, Alice Stefânia, Davi Maia, João Antônio de Lima Esteves, João Paulo Oliveira, Rômulo Augusto, Adriana Nunes, Patricia Marjorie, Cibele Amaral, Gê Martu, José de Campos e Cynthia Carla.

O diretor
Diretor dos filmes de longa-metragem Até que a casa caia (2014) e Simples mortais (2007), dos curtas ficcionais O perfumado (2002) e O jardineiro do tempo (2001) e do aclamado documentário sobre os sem-terra Por longos dias (1998). Foi vídeoartista na década de 1990, quando realizou repertório experimental: Speaking alone (1994), Brasiconoscópio (1990) e Féssoas (1989). É sócio da Plateau Filmes e professor de audiovisual da Universidade de Brasília. Atualmente, escreve o roteiro do filme Deitado de sapatos e desenvolve a série ficcional para tevê O esquecido.



Programação (dia 22)

9h
Auditório II do Museu Nacional, acesso livre
II Oficina de Audiovisual para Professores,
com Ciro Marcondes

10h
Teatro Newton Rossi (Sesc Ceilândia), Teatro Paulo Autran (Sesc Taguatinga), Teatro Paulo Gracindo (Sesc Gama) ; escolas agendadas da rede pública do DF
Festivalzinho ; livre
Mostra de filmes de curta-metragem com temática infantil em parceria com a Mostra de Cinema Infantil de Florianópolis

11h
Kubitschek Plaza Hotel, acesso livre
Debate com as equipes dos filmes das
mostras competitivas exibidos na noite
anterior no Cine Brasília

14h30
Kubitschek Plaza Hotel, acesso livre
Master class de direção de produção,
com Marcelo Torres
Auditório II do Museu Nacional, acesso livre
3; Encontro de Experiências Educativas
no Audiovisual
Mesa: Ana Dillon, Diane Maia, Eloiza Gurgel Pires, Joel Pizzini, Juana Nunes Pereira,
Maria Angélica dos Santos,
Maurício Eça, Pola Ribeiro e
Vânia Lúcia Quintão Carneiro
Mediação: Claudia Castro
Cine Cultura Liberty Mall, sala 4
Mostra Competitiva (reprise)
O sinaleiro, de Daniel Augusto, 15min, SP (16 anos)
O corpo, de Lucas Cassales, 16min, RS (18 anos)
Prova de coragem, de Roberto Gervitz,
90min, RS (12 anos)

19h
Cine Brasília
Noite de premiação com exibição do filme
Até que a casa caia, de Mauro Giuntini, 85min, DF. Entrega dos troféus e prêmios do 48; FBCB. Somente para convidados.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação