"Eu saí daqui cedo, ainda era pequeno"

"Eu saí daqui cedo, ainda era pequeno"

Vitor de Moraes
postado em 17/09/2015 00:00

O Flamengo sentiu, ontem, uma prévia da recepção que terá hoje à noite, no Mané Garrincha. No desembarque da delegação em Brasília, no fim da tarde, cerca de 200 torcedores segundo números oficiais da Polícia Militar se acotovelaram para abrir os braços para os jogadores. O rubro-negro enfrenta o Coritiba, às 21h, pela 26; rodada do Campeonato Brasileiro. O avião pousou em Brasília com 10 minutos de antecedência, o que pegou alguns torcedores de surpresa. Com cantos de arquibancada; ;vamos, Flamengo, vamos ser campeão;, repetidos à exaustão ;, os flamenguistas partiram para cima dos ídolos. O presidente do clube da Gávea, Eduardo Bandeira de Mello, parecia assustado com a empolgação.

Apontado como salvador do time no ano, o técnico Oswaldo de Oliveira se divertia com o assédio. Cercado por seguranças que tentavam impedir o acesso dos torcedores, Oswaldo, encolhido, ria. Paulinho e Marcelo Cirino chegaram marrentos, de boné e óculos escuros, pouco a fim de papo. Nascido em Brasília, o atacante Kayke, que tem quatro gols em seis jogos, era praticamente carregado por seguranças. ;Uh! Terror! O Kayke é matador;, ouvia o vice-artilheiro do Fla no Brasileirão. Enquanto o estafe conferia se todos estavam no ônibus, torcedores cercaram o veículo de vidros escuros. Os cânticos continuaram. Alguns flamenguistas encostavam o rosto nas janelas para tentar identificar algum atleta. Um dos fãs desenhou um coração no ar. Quando o ônibus entrou em movimento, os seguidores foram atrás, batendo palmas. A delegação está hospedada no Hotel Windsor, no Setor Hoteleiro Sul, onde Kayke encontrou os parentes de Brasília. Antes da chegada ao Distrito Federal, o jogador deu a entrevista a seguir ao Correio.

Que lembranças tem de Brasília?
Saí daqui muito cedo, muito pequeno, mas lembro bem do clube onde eu comecei, o Minas Brasília Tênis Clube. De resto, não lembro de muita coisa.

Morou aqui por quantos anos?
Morei em Brasília por, aproximadamente, uns seis anos, me falha um pouco a memória porque eu era bem pequeno. Estarei em casa, tenho tios, tias, primos. Muita gente estará no estádio . Mas não costumo ir a Brasília, só para jogar.

Como foi jogar pelo
Brasiliense em 2008?
A passagem pelo Brasiliense foi um aprendizado na minha vida. Eu carrego tudo como aprendizado e não foi diferente com o time do DF. Foi uma experiência que eu tive e carrego comigo.

Tem lembranças do
Mané Garrincha?
Joguei no estádio algumas vezes, inclusive na nova arena. Está bem legal. E tenho certeza que a torcida do Flamengo vai fazer uma festa muito bonita. Espero que todos possam assistir a um belo jogo de futebol.

O Kayke de hoje é o mesmo de 2008?
Estou muito feliz pelo atual momento, mas sempre com os pés no chão. Sabendo que ainda há um longo caminho até conquistar os objetivos que eu tenho, os individuais e, principalmente, os coletivos.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação