Servidor do Judiciário mantém paralisação

Servidor do Judiciário mantém paralisação

VERA BATISTA
postado em 02/10/2015 00:00
 (foto: Andre Violatti/Esp. CB/D.A Press
)
(foto: Andre Violatti/Esp. CB/D.A Press )


Os servidores do Judiciário decidiram ontem, em assembleia, manter a paralisação ; que já dura 117 dias ; por tempo indeterminado e intensificar a pressão sobre parlamentares pela derrubada do veto n; 26 da presidente Dilma Rousseff, que impediu reajuste de até 78% para a categoria. Prometem não perder o fôlego na reta final. Se as manifestações em frente ao Congresso Nacional, até agora, contavam com vuvuzelas e batucada, a que ocorrerá em 6 de outubro ; data provável da apreciação dos vetos ;, terá uma explosão contínua de fogos de artifício para chamar a atenção de deputados e senadores.

;Estamos assustados, frustrados e indignados por presenciar o jogo sujo, as chantagens e a troca de favores de parlamentares que tentam usar o nosso projeto em benefício próprio. Estamos sozinhos nesta luta para exigir nossos direitos e dispostos a ir para o tudo ou nada;, assinalou Cledo Vieira, diretor da Federação Nacional dos Trabalhadores do Judiciário Federal e Ministério Público da União (Fenajufe). A insistência, segundo ele, é também uma forma de homenagear colegas que pagaram um alto preço ao longo do processo de negociação.

Vieira contou que um servidor do Paraná que veio para um dos ato, não resistiu a um enfarto e morreu. ;Outros sobreviveram a cirurgias delicadas, apanharam da polícia, foram expostos a situações vexatórias. Por eles, não vamos parar.; Dos 120 mil funcionários no país, apenas 8 mil estão efetivamente em greve, nos cálculos da Fenajufe.

;O que conta é a disposição. Todos os dias, mais de 200 servidores acompanham deputados e senadores, outros usam as redes sociais. Todos, a sua maneira, fazem parte de uma grande força de convencimento;, contou Vieira. Em uma das mensagens aos congressistas, com o título ;Contra a mentira e manipulação de dados;, a Fenajufe informa que os servidores não buscam aumento: querem reposição das perdas acumuladas há 9 anos ; já deduzidos os 15,8% pagos entre 2013 e 2015 a todo o funcionalismo.

A federação destaca, também, que o reajuste dos servidores não tem ;efeito cascata;, como o dos magistrados, ;não vai quebrar o país;, pois está condicionado a previsão orçamentária e que o impacto nos cofres públicos é de R$ 10,3 bilhões, ao contrário do que diz o Executivo. ;Para chegar a R$ 36 bilhões, o governo manipula os números e soma valores até 2019;, enfatiza o documento.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação