Inspirado em Suassuna

Inspirado em Suassuna

postado em 02/10/2015 00:00
 (foto: Cia Barcaça dos Beltranos/Divulgação)
(foto: Cia Barcaça dos Beltranos/Divulgação)


o religioso e o profano se misturam com frequência na obra de Ariano Suassuna. Foi aí que o diretor Daniel dos Santos buscou inspiração para o espetáculo Santo Antônio e a porca de madeira.

No palco, a Barcaça dos Beltranos Cia. de Teatro vive a história do velho avarento Euricão Árabe, devoto de Santo Antônio. É numa porca de madeira que ele esconde uma fortuna em dinheiro. Nem mesmo as dificuldades financeiras atravessadas pela família amolecem o coração de Euricão.

Ele ficará preocupado somente quando uma carta anônima o advertir que um fazendeiro rico está chegando à cidade e que ele sabe do tesouro que Euricão guarda.

SERVIÇO

Santo Antônio e a porca de madeira


Texto e direção de Daniel dos Santos. Com a Barcaça dos Beltranos Cia. de Teatro. Teatro Goldoni (208/209 Sul, Casa d;Itália). Hoje e amanhã, às 21h; domingo, às 20h. Ingressos a R$ 40 (inteira). Não recomendado para menores de 10 anos.

Crítica Os estonianos HHH

A solidão balzaquiana

Diego Ponce de Leon

quando estamos aos 20 anos, tudo parece não ter fim. A faculdade é nosso quintal de experimentos. Temos amigos eternos. Bebemos, fumamos, transamos. Não há amanhã. Levamos o clichê ;carpe diem; à risca. Aos 30, percebemos o quanto estávamos errados. A eternidade é para tolos; a amizade, um privilégio; o sexo, nem tão frequente assim. Bebida e cigarros? O médico cortou. Agora, você faz checape, afinal.

Todas essas provocações balzaquianas, e outras mais, rondam o belo texto de Julia Spadaccini. Em Os estonianos, a roteirista, dramaturga e escritora carioca-brasiliense traz à tona a solidão dos casamentos, a escassez de contato humano nas relações cotidianas, o desespero de empregos estressantes e vazios, a busca patológica e ridícula pela tal felicidade (uma exclusividade dos estonianos, aparentemente).

Em cena, e sem sair dela por um único instante, os cinco personagens (pessoas comuns, como eu você) compartilham as angústias e os anseios que os carregam. De alguma forma, estão todos interligados. De outra forma, são desconexos ambulantes. Andarilhos urbanos e solitários (como eu e você).

A direção segura e criativa da estreante Fernanda Rocha falha somente ao permitir uma atuação (por parte de todo o elenco, formado por intérpretes competentes) que beira o caricato e o farsesco. Diante de representações inautênticas, torna-se difícil estabelecer uma relação afetiva com os personagens. A identificação pessoal fica restrita ao texto, o que gera uma ligação rúptil. Talvez, em termos sugestivos, caiba aqui um outro clichê: menos é mais.

SERVIÇO

Os estonianos


De Julia Spadaccini. Direção de Fernanda Rocha. No Teatro II do Centro Cultural Banco do Brasil ; CCBB (SCES, Tr. 2). Sempre às 19h. Até domingo. Ingressos a R$10 (inteira). De 6 a 8 de outubro, o espetáculo estará no Sesc Ceilândia. De 17 a 19 de outubro, a peça estará no Sesc Taguatinga. Classificação livre.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação