ARI CUNHA

ARI CUNHA

Desde 1960 - Visto, lido e ouvido

aricunha@dabr.com.br com Circe Cunha / circecunha.df@dabr.com.br
postado em 31/10/2015 00:00

Cilada

Massa de manobra. Esse tem sido o principal papel desempenhado pelas diversas categorias profissionais ao longo da maioria das greves nos últimos anos. Joguete na mão dos sindicatos, os servidores públicos parecem não perceber que, como peões num imenso tabuleiro se movem de acordo com as estratégicas e maquinações de lideranças que nem mesmo conhecem e, não raro, são postos em situações constrangedoras e de perigo de vida.

Para justificar a própria existência, turbinados ainda pelo imposto fácil, abundante e compulsório tungados de cada um dos trabalhadores, só restam aos múltiplos sindicatos, por meio de seus braços tentaculares presentes em cada repartição pública, atiçar as diversas categorias, lançando-as na aventura das paralisações. Contradição ou não, é apenas nas paralisações que os sindicatos trabalham. Para essas lideranças, eleitas, na sua maioria, sem a efetiva participação das categorias, a militância sindical é usada como ponto de passagem e ensaio para voos individuais mais altos, não importando os meios que possam usar para este fim.

Curioso é constatar que mesmo usando e abusando de manobras manjadas, que, em resumo se restringem a deslocar as peças (grevistas) para pontos sensíveis da cidade e causar grandes transtornos ; como foi visto na última quarta-feira quando professores e grevistas profissionais bloquearam a saída dos eixões Norte e Sul, na hora de pico ;, conseguem atrair as forças de segurança para um conflito anunciado.

Para esse modelo de sindicalismo, controlado com mão de ferro por franjas do Partido dos Trabalhadores, interessa muito o confronto direto com as autoridades, embora a infantaria precursora seja formada apenas pelos soldados rasos, representados, neste caso, pelos servidores públicos e anônimos que trabalham todos os dias antes das contendas.

Confortavelmente instalados em seus escritórios, esses generais da estrela vermelha assistem, pela televisão, às tropas cegas serem pisoteadas pelas forças de segurança. Esse tipo de estratégia, transforma o professor em espécie de marionete, que é arremessado para o centro do conflito, apanhando da polícia, sendo agredido física e moralmente. A repetição da trama e a falta de inteligência criativa, que produza resultados efetivos, só mostram que os professores, mergulhados em tanto desprezo, são usados pela falta de escrúpulos e por interesses carimbados.

A dignidade de profissionais, como professores, médicos e outras categorias, passa antes pela recusa em se transformar em massa de manobra. Às lideranças sindicais interessa muito a construção de vítimas e mártires que sustentem seus intentos. Para essa gente, tanto faz que a população fique sem escola, médicos ou transportes. O importante é agitar as massas, ficando na proteção da retaguarda. Se possível, a muitos quilômetros da pancadaria.






A frase que não foi pronunciada

;Os políticos brasileiros
estão em cadeia nacional
fora do tempo de eleições!”

Horário do político em tempo real



Notinha

; Fernando Varanda, prefeito comunitário do Lago Norte, convida a comunidade para a reunião do Conselho Comunitário do Lago Norte, às 20h, do próximo dia 5, na sede da Prefeitura Comunitária. Em pauta, a ocupação da orla do Lago Norte. Com a presença do administrador Leandro Casarin, a comunidade espera ter algumas dúvidas esclarecidas sobre o assunto.

Lago Norte

; Varanda informa ainda que comunicará, na reunião marcada, que a visita feita a Celina Leão rendeu alguns frutos para as reivindicações dos moradores da região.

Apoie

; Romário Farias lança a campanha para que os deputados federais aprovem o ensino da Constituição Federal nas escolas. ;A difusão do conhecimento sobre direitos sociais, assim como do sistema político, do exercício da cidadania, de valores éticos e cívicos, pode revolucionar nossa sociedade. Salvando toda uma geração e provocando as mudanças sociais e políticas que tanto queremos;, justifica o autor da proposta.


História de Brasília

Pouco antes de embarcar no aeroporto militar, o sr. Jânio Quadros estendeu a mão aos presentes, sendo que ninguém ali sabia de sua renúncia, e do momento histórico que estava vivendo. (Publicado em 26/8/1961)





Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação