Ilustrações que falam

Ilustrações que falam

Tino Freitas e Romont Willy lançam hoje livro que conta história por meio de desenhos

Laura Tizzo Especial para o Correio
postado em 31/10/2015 00:00
 (foto: Ana Rayssa/CB/D.A Press)
(foto: Ana Rayssa/CB/D.A Press)

As bruxas que nos perdoem, mas, este ano, terão que dividir o dia delas com o lançamento de Faz de conta, livro de Tino Freitas e Romont Willy. A obra será apresentada hoje ao público a partir das 16h na livraria Dom Quixote do Sudoeste. Além de conhecer os autores ou revê-los, para quem é de casa, os convidados poderão interagir com brinquedos cantados, ilustrações feitas na hora e contação de histórias.


No Faz de conta, um menino que brinca à beira do mar é surpreendido pelo cachorrinho de estimação, que traz a ele um galho de árvore. À primeira vista, o pedaço de madeira até parece coisa à toa, mas, junto do amigo canino, o jovenzinho descobre o poder escondido naquele graveto. Enquanto o galho se transforma em espadas e lanças, todo o mundo ao redor ganha um colorido especial, provocado pela lasquinha de árvore ou, quem sabe, pela imaginação.


Embora pouco evidentes, há semelhanças entre o livro e o halloween. A matéria-prima de ambos é a imaginação. Sem ela, os protagonistas dos dois eventos não sobreviveriam. Esse mundo mágico com duendes, dragões, castelos, ogros e fadas ; onde as bruxas provavelmente moram ; é o cenário da história de Faz de conta.


Quem deixar as verruguentas de lado um pouco neste sábado para se aventurar com Dom Quixote vai se surpreender com a narrativa do livro de Tino Freitas e Romont Willy. A obra é somente ilustrada e, portanto, não tem textos escritos. A história faz um jogo de cores que leva o leitor da realidade à imaginação.

Por que um escritor é autor de um livro sem texto?

Quando se pensa que o livro é apenas ilustrado, uma dúvida pode surgir: o que é que o Tino, escritor, está fazendo ali? Foi ele quem pensou o enredo e o transformou em um roteiro, que depois deu origem aos desenhos. Romont, por sua vez, atuou tanto como ilustrador ; e fez todas as imagens à mão! - quanto como autor.


; O Romont pegou o roteiro e criou muita coisa em cima dele, então ele tem a autoria não só do desenho, mas da concepção do livro, explica Tino.


Também por conta das gravuras, há quem pense que a obra é infantil. Nada disso! Tino e Romont esclarecem, puxando as orelhas: é uma literatura também para crianças, mas que não se restringe a elas.


; Normalmente, no livro de adulto, a criança não tem acesso pela linguagem e pela estrutura. Mas a literatura infantil é um livro também pra criança, desde que o adulto esteja disposto a ler, porque tem certa resistência. Eu vivo comprando livro infantil para dar de presente para meus amigos e, quando acerto, quando aquele cara está passando por alguma situação que se encaixe, que combine com o livro, é emocionante, afirma Tino.


Por isso, todos estão convidados ao lançamento hoje, às 16h, na livraria Dom Quixote do Sudoeste.

O crítico é o leitor
Oito alunos do Maristinha Pio XII conheceram a narrativa ilustrada durante uma visita de Tino e Romont à escola. Os sortudinhos, que tiveram a oportunidade de ;fazer de conta; em primeira mão, se sentaram em um círculo ao redor dos autores esperando ouvir a narração, mas, sem perceber, foram eles que contaram e compuseram a história.


A cada página, os meninos erguiam os dedos, exaltavam a voz e compartilhavam memórias suscitadas pelas ilustrações. Os personagens foram sendo nomeados pelos pequenos. Para o cachorro, sugeriram ;Nina; e ;Touro;. Um dos seres fantásticos foi comparado a uma batata por ser baixinho e vestir uma roupa beje. Os detalhes não escritos foram acrescentados pelos próprios leitores, que de tão envolvidos com a história não conseguiam permanecer sentados.


A aluna Gabriela de Lima Diniz, 7 anos, lembrou-se de um cachorro que viu em uma praia de Fortaleza. Ele estava cochilando, por isso prefere o do Faz de conta.


; O do livro é mais legal, porque ele brinca com o galho, diz Gabriela.


Davi Chaves, 7, foi um dos meninos que viu uma batata no lugar do monstro, mas logo avisa que prefere mandioca frita com sal. Ao se deparar com o ;cãozinho literário;, Davi se lembrou do labrador de estimação que possui, o Thor, que foi ao veterinário porque estava doente.


; Ele se chama Thor, porque tem o mesmo cabelo do Thor. Tem seis meses, é um filhote, compartilha.

Leia
Faz de Conta

Autores:
Romont Willy
e Tino Freitas
Editora: Sesi-SP
Preço: R$ 36
40 páginas
Formato: 27 x 27 cm

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação