Grita do consumidor

Grita do consumidor

postado em 09/11/2015 00:00
SKY
cobrança indevida


; Carlos Augusto de Campos Filho
Samambaia Sul

O leitor Carlos Augusto de Campos Filho afirmou que enfrenta problemas com a SKY desde setembro deste ano. Em julho, Carlos desativou a assinatura da empresa porque ia se mudar para a Bahia. ;Houve um atraso na entrega do imóvel, a SKY me ligou propondo reativação e eu aceitei. A partir de 24 de agosto, seria feito um plano de R$ 69,90, no débito em conta, como sempre;, relata. Contudo, poucos dias após esse acordo, o consumidor recebeu um aviso de que seriam debitados R$ 239 da conta dele. Por e-mail, ele relatou à empresa o ocorrido e ela pediu que esperasse cinco dias para análise do caso. Em 17 de outubro, um funcionário da empresa foi até a casa do leitor, retirou o aparelho HDTV e desligou o sinal SKY. ;Minha esposa não conseguiu contato comigo, pois eu estava na estrada, vindo de Salvador. Ao chegar em casa, tentei contato, mas sem sucesso. No dia seguinte, falei com a SKY, que ficou de providenciar a devolução do aparelho;, explica. Porém, desde então, o sinal permanece desativado e o consumidor foi informado de que só será restabelecido após o pagamento do débito. ;Ninguém teve a coragem de me telefonar para conversar, sou cliente deles desde a DIRCTV, passando para a SKY, tudo no débito em conta;, lamenta.

Resposta da empresa

A SKY informa que um dos seus objetivos é atender a todos os clientes com qualidade e o mais prontamente possível. A operadora pede desculpas pelo transtorno causado. Nossa equipe de atendimento entrou em contato com o cliente e realizou o cancelamento de sua assinatura, conforme desejo do consumidor. Os valores em aberto foram isentos.

Comentário do cliente

;O atendimento da SKY foi impessoal e não resolveu o assunto. Depois da entrada do Correio, uma senhora me ligou e, realmente, só então, me ouviu, mas pedi que cancelasse, pois se passou muito tempo e mudarei em janeiro. Sem crise, mas para um cliente de 20 anos e que sempre pagou em débito automático, deveriam ser mais atenciosos. Pedi que cancelassem sem custos.;


Smiles
Mercadoria trocada


; Ingrid Caroline
Cavalcante de Oliveira
Asa Sul

A leitora Ingrid Caroline Cavalcante de Oliveira comprou um aromatizador branco com lilás no site do Shopping Smiles, por meio do Submarino, com milhas. ;Entregam um umidificador verde e com defeito. Comprei uma coisa e entregam outra. Propaganda enganosa do site Smiles e do Submarino;, afirma. Após reclamar, recebeu outro produto. Pela segunda vez, entregaram um produto diferente do anunciado. ;Frustrante a atuação da empresa no despacho de mercadorias. Pasmem, entregaram o mesmo produto;, relata. Ingrid afirma que quer a devolução, em dobro, das milhas utilizadas, dentro da sistemática do Código de Defesa do Consumidor, que a
cobrança indevida deve ser devolvida em dobro.

Resposta da empresa

O Smiles informa que entrou em contato com o cliente e o caso foi solucionado. A central de relacionamento Smiles permanece à disposição pelo site www.smiles.com.br e telefones: Smiles e Prata ; 0300-115-7001 (diariamente, das 6h à 0h (capitais e regiões metropolitanas), Ouro e Diamante ; 0300-115-7007 (diariamente, 24h). Pedimos desculpas pelo transtorno.

Comentário da cliente

;Entraram em contato comigo e efetuaram a devolução das milhas. O produto anunciado não tinha mais no estoque. Depois desse caso, vão fazer a atualização do site para tirar o produto.;


Dell
computador quebrado


; Túlio Medeiros Marques
Asa Sul

A reclamação do leitor Túlio Medeiros Marques foi publicada em 19 de outubro nesta coluna. No relato em questão, o notebook do consumidor apresentava defeitos e, depois de diversas visitas técnicas, nada foi resolvido. Quinze dias após a publicação, o caso ainda não teve solução e o cliente voltou a entrar em contato com o Correio. ;Gostaria de que me fosse oferecido um reembolso, até porque não confio mais, nem nos produtos nem no atendimento da Dell;, afirma. Túlio destaca que nunca desfrutou do produto adquirido, pois ele começou a dar defeito pouco tempo depois da compra. Ao pedir o reembolso, o leitor recebeu a informação de que deveria aguardar cinco dias para um contato da empresa. ;Preciso esperar até cinco dias úteis para saber se terei direito a uma negociação ou se meu caso foi simplesmente arquivado e esquecido pela Dell;, lamenta.

Resposta da empresa

Em resposta à reclamação enviada ao jornal Correio Braziliense, a Dell informa que o cliente está ciente e de acordo com os procedimentos adotados para solução do caso. A Dell ressalta que preza pela qualidade do atendimento prestado aos seus clientes e visa sempre a sua melhoria a fim de que esses permaneçam constantemente satisfeitos.

Comentário do cliente

;Meu caso não foi resolvido. Eles me afirmaram que, depois do último contato, não haveria nada que pudessem fazer e, portanto, me mandariam direto para a seção de negociações para que fosse negociado um novo aparelho ou algo assim. Não foi o que aconteceu. Botaram outro funcionário no lugar do último para o meu caso, e esse tentava me oferecer uma última assistência técnica, mesmo sabendo que já haviam trocado a placa-mãe duas vezes, o HD, e formatado a máquina duas vezes. Eu recusei tudo e pedi meu dinheiro de volta, não apenas por ser um descumprimento ao último acordo, mas, também, porque na última vez em que liguei para a Dell, desligaram a ligação. Posso afirmar com um certo nível de certeza que a ligação foi desligada, pois, em outras ocasiões, a ligação caiu e os atendentes prontamente retornaram, continuando o atendimento, caso que não ocorreu na última ligação. No fim das contas, pedi o reembolso, que, segundo eles, já foi encaminhado, por não confiar nem nos produtos nem na assistência técnica. Olhei em um site de reclamações, algo que deveria ter feito antes da compra, e a Dell se posiciona facilmente em último lugar em assistência ao cliente entre todas as empresas de eletrônicos. Portanto, meu problema não foi solucionado, meu computador ainda possui problemas, mas já pedi um reembolso, pois não pretendo manter mais qualquer tipo de contato com essa empresa.;


Hospital São Francisco
sem nota fiscal

; Lucimara Elisabeth Reis Fonseca
Águas Claras

Em 27 de março, a leitora Lucimara Elisabeth Reis Fonseca levou o filho, Luciano Fonseca Buiati, na emergência do Hospital São Francisco, em Ceilândia. A cliente pagou a consulta particular, no valor de R$ 200, e não quiseram fornecer o recibo ou nota fiscal do pagamento. Na recepção e no caixa, informaram-na que o médico seria o responsável por esse comprovante. ;O médico informou que não poderia emitir a nota porque não tinha internet. Disse ainda que, da sua casa, faria a n

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação