Confirmada morte por zika no Maranhão

Confirmada morte por zika no Maranhão

Homem tinha lúpus, o que teria complicado a situação. Pesquisadores alertam que contágio do vírus não ocorre só pelo mosquito. Eles garantem que pode também ser transmitido por meio de relação sexual, transfusão de sangue e transplante de órgãos

postado em 28/11/2015 00:00
O Instituto Evandro Chagas (IEC) de Belém confirmou, na manhã de ontem, o primeiro caso de morte por zika vírus no Brasil. A vítima é um homem, morador do Maranhão. Ele também tinha lúpus, o que teria complicado o quadro clínico, uma vez que a doença afeta o sistema imunológico do paciente.

;Essa fraqueza no sistema imunológico precipitou sua morte;, explicou o médico Pedro Vasconcelos, do Instituto Evandro Chagas. Transmitido pelo mosquito Aedes aegypti, o mesmo vetor do vírus da dengue e da chikungunya, o zika estaria relacionado a um surto de microcefalia no Nordeste e ao crescimento de casos da síndrome de Guillain-Barré (SDG) na região.

De acordo com os especialistas do setor de Arbovirologia e Febres Hemorrágicas do IEC, a primeira morte ligada ao zika aconteceu em junho deste ano, mas a certeza do diagnostico só foi possível depois de estudos de amostras do sangue do homem, que começaram a ser analisadas em julho. Em razão da dificuldade de isolar o vírus, somente agora a presença do organismo foi confirmada.

A equipe do IEC que trabalhou no caso ; formada pelos médicos Pedro Vasconcelos e Socorro Azevedo e pela farmacêutica Suely Rodrigues ; informou que o instituto vai passar a analisar agora as amostras de outros casos que não tiveram diagnostico de dengue nem de chikungunya, em busca de novos casos de zika vírus.Por isso, eles acreditam que o número de mortes provocadas por ele pode aumentar.

Ainda segundo os pesquisadores, a forma de contágio do vírus não se daria somente pelo mosquito. Eles garantem que o zika pode também ser transmitido por meio de relação sexual, transfusão de sangue e transplante de órgãos.

De acordo com o grupo, o Ministério da Saúde foi notificado e deve se pronunciar sobre a morte. Uma equipe do ministério está investigando os casos de forma integrada com as secretarias estaduais e municipais de saúde. Segundo os pesquisadores, o maior desafio neste momento é neutralizar a proliferação do mosquito, evitando lixo acumulado e recipientes com água parada.

Segundo Jean Gorinchteyn, médico infectologista do Instituto Emílio Ribas, a morte do paciente foi um caso pontual, tendo em vista que ele já tinha uma doença autoimune. ;Toda vez que falamos em doença viral em pacientes que têm comprometimento da imunidade, temos em mente que o organismo tem dificuldade em diminuir o vírus, que fica circulando no sangue e afetando os órgãos. É um caso isolado.;

Gorinchteyn diz que o zika pode causar um desequilíbrio no lúpus e comprometer a saúde do paciente. ;O zika pode descompensar a doença de base, que no caso é lúpus, e fazer com que o organismo produza anticorpos contra o vírus e contra o próprio indivíduo.;

Infectologista do Hospital e Maternidade São Luiz, Raquel Muarrek afirma que a doença transmitida pelo mosquito não costuma matar as pessoas que são contaminadas. ;O diagnóstico de zika é difícil, porque, primeiro, pensa-se em dengue. Mas não é o comum levar a óbito. O lúpus pode ter sido um fator associado.;

Gorinchteyn aconselha que portadores de doenças autoimunes, gestantes e quem faz uso de medicamentos imunossupressores mantenham hábitos que afastam o Aedes aegypti, como usar roupas claras e de mangas compridas e usar repelente.

O Ministério da Saúde recomendou ainda às gestantes que permaneçam atentas aos sintomas do zika: vermelhidão na pele, dor no corpo, febre, coceira e olhos vermelhos. Na ultima terça-feira, o ministério divulgou o balanço sobre a microcefalia no País ; são 739 casos em 160 municípios.



"Toda vez que falamos em doença viral em pacientes que têm comprometimento da imunidade, temos em mente que o organismo tem dificuldade em diminuir o vírus, que fica circulando no sangue e afetando os órgãos;
Jean Gorinchteyn, médico infectologista do Instituto Emílio Ribas



Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação