Youssef denunciado no Maranhão

Youssef denunciado no Maranhão

postado em 02/12/2015 00:00

O doleiro Alberto Youssef, Rafael Ângulo, Adarico Negromonte Filho ; ex-funcionários do doleiro ;, o ex-secretário da Casa Civil maranhense João Guilherme Abreu e o corretor Marco Antonio Ziegert foram denunciados à Justiça pelo Ministério Público do Maranhão por envolvimento em fraude no pagamento de um precatório no estado.

A denúncia foi oferecida pela promotora Lise de Maria Brandão de Sá Costa, da 5; Promotoria Criminal do Maranhão. No entanto, por correr em segredo de Justiça, o Ministério Público informou que a promotora não conversará com a imprensa sobre o assunto.

Mas, de acordo com o que foi apurado pela reportagem, a ex-governadora Roseana Sarney (PMDB), ficou de fora da denúncia. Anteriormente, ela chegou a ser apontada como suspeita de envolvimento no caso UTC/Constran.

Entre os denunciados existe a suspeita de que Alberto Youssef ofertou R$ 3 milhões em propina para servidores públicos estaduais com intuito de que a construtora UTC/Constran ;furasse; a fila de pagamento dos precatórios do Tribunal de Justiça do Maranhão e recebesse um título de dívida pública reconhecida pela Justiça no valor de R$ 113,3 milhões. Já Rafael Ângulo, Adarico Negromonte Filho e Marco Antonio Ziegert teriam sido os responsáveis por entregar o montante para João Guilherme Abreu, que está sendo acusado de corrupção passiva.

A denúncia relata que o acerto para pagamento da propina foi feito entre Youssef, Ziegert e Abreu, mas que coube a Ângulo e Adarico entregar os valores. Ângulo teria feito duas entregas diretamente para Abreu no Palácio dos Leões, sede do governo estadual. Ângulo admitiu ainda que levava maços de dinheiro presos ao corpo e em meiões de futebol e que, em uma das entregas, ele e Adarico levaram cada um R$ 300 mil, totalizando R$ 600 mil em notas de R$ 100.

Lula perde contra Caiado
A 1; Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) negou receber duas queixas-crime propostas pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva contra o senador Ronaldo Caiado (DEM-GO) por entender que o congressista estava protegido por imunidade parlamentar ao publicar críticas nas redes sociais ao petista. No julgamento, contudo, os ministros ressaltaram que foi ;lamentável e reprovável; o nível das manifestações de Caiado. A defesa de Lula pedia que Caiado respondesse pelos crimes de calúnia, injúria e difamação. Em fevereiro, Caiado chamou Lula, no Twitter, de ;bandido frouxo;.



Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação