Leopoldo López exige votar no domingo

Leopoldo López exige votar no domingo

Rodrigo Craveiro
postado em 02/12/2015 00:00
 (foto: Juan Barreto/AFP - 18/2/14

)
(foto: Juan Barreto/AFP - 18/2/14 )


Por meio do advogado Juan Carlos Gutiérrez Ceballos, o líder opositor venezuelano Leopoldo López apresentou, ontem, petição para que seja trasladado até uma seção eleitoral na cidade de Chacao para votar no próximo domingo. Na carta entregue à juíza Susana Barreiros, a mesma que condenou López, Ceballos lembra que o cliente ;não se encontra inabilitado politicamente;.

Em entrevista ao Correio, por telefone, o defensor contou que redigiu o documento anteontem, logo após visitar López na penitenciária militar de Ramo Verde, a 30km de Caracas. ;Nós pedimos à juíza que lhe permita trasladar até o centro de votação e exercer o direito legítimo, que não está restringido pelo seu caso. Existe apenas uma sentença em primeira instância, e o processo se mantém aberto. Isso permite a Leopoldo exercer o direito ao sufrágio universal;, comentou. ;Sob o ponto de vista legal, estão dadas a condições para que isso ocorra. Há duas alternativas: que ele seja acompanhado pela polícia até Chacao ou que instalem máquina de votação em Ramo Verde. Isso permitiria que não apenas Leopoldo, mas os 700 presos, pudessem votar.;

Coordenador nacional do partido Voluntad Popular, López cumpre pena de 13 anos e 9 meses de prisão por instigação pública ; incitação à violência em protestos contra o presidente Nicolás Maduro ;, danos a propriedades, incêndios e associação para delinquir.

De acordo com Ceballos, Leopoldo López está completamente isolado. ;Ele não tem acesso a terceiros, à exceção dos advogados e de familiares, durante as visitas aos fins de semana. Está sozinho numa cela, separado do restante da população da carcerária;, relatou. ;Apesar disso, Leopoldo se mostra bastante tranquilo e muito seguro de que vai obter a liberdade. Ele não se apresenta deprimido, exaltado ou violento. Está certo de que as mudanças democráticas vão ocorrer na Venezuela e aposta que as eleições são apenas o começo dessas transformações, produzidas sob parâmetros constitucionais e sob proteção dos direitos humanos, além de uma estrutura progressista.;

Radicalização
As eleições parlamentares do domingo são consideradas cruciais para as aspirações de Maduro e de seu Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV). Pesquisas indicam possibilidade de vitória da oposição, que passaria a exercer o controle da Assembleia Nacional. Ontem, Maduro prometeu ;radicalizar a revolução; para combater a ;guerra econômica; a partir de segunda-feira. Ele prevê um triunfo ;esplêndido e heroico; do oficialismo. A ex-secretária de Estado norte-americana Hillary Clinton, por sua vez, defendeu que as vozes dos democratas se levantem ;em nome da democracia na Venezuela; e exigiu o respeito à vontade popular expressa nas urnas.

Trio acusado por morte de político
O Ministério Público anunciou o indiciamento de três homens pela morte a tiros do líder opositor venezuelano Luis Manuel Díaz. O crime ocorreu na quarta-feira da semana passada, depois de um comício em Guárico (centro). William Méndez Quiaro, 28 anos; José Enrique Abad, 25; e Ronald EnderHenández, 22, foram detidos anteontem em Altagracia de Orituco, ao fim do comício da oposição que contou com a presença de Lilian Tintori, mulher do preso político Leopoldo López. No fim de semana, o vice-presidente venezuelano, Jorge Arreaza, afirmou que Lilian poderia ser alvo de ;mercenários financiados pela extrema-direita; para cometer crimes políticos antes das eleições de domingo. Tintori respondeu: ;Sofri dois atentados e peço que sejam cumpridas as medidas cautelares para Leopoldo López na prisão de Ramo Verde, para meus filhos e para mim;.


Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação