Senhores da guerra

Senhores da guerra

Após provocações entre jogadores, ironias e até publicação de pôster de campeão, Palmeiras e Santos encaram uma final que promete ser tensa. Título é o único caminho que resta aos times para chegar à Libertadores

postado em 02/12/2015 00:00
 (foto: Ricardo Saibun/Santos FC)
(foto: Ricardo Saibun/Santos FC)



Palmeiras e Santos viveram uma semana em que pouco se falou de futebol. O assunto dominante foram provocações, ironias e pôster. Motivos de sobra para o encontro de dois times sedentos pela taça da Copa do Brasil, hoje, no Estádio Allianz Parque, em São Paulo.

No primeiro jogo, o Santos venceu por 1 x 0 e joga por um empate para ser o campeão. O Palmeiras precisa ganhar por dois gols de diferença ; vitória alviverde por um gol e o título será decidido nos pênaltis.

O estádio estará lotado para acompanhar o embate que vai marcar a primeira final de campeonato no Allianz Parque, há pouco mais de um ano de sua inauguração. Os 38 mil ingressos foram vendidos há mais de uma semana. Os dois clubes têm na decisão o único caminho para chegar à Copa Libertadores ; no Campeonato Brasileiro já não têm mais chances de alcançar o G-4.

Os ânimos já estavam bastante acirrados antes do confronto inicial e ficaram mais quentes após a vitória santista por 1 x 0, na Vila Belmiro. Os palmeirenses se revoltaram com a arbitragem de Luiz Flávio de Oliveira, que não marcou um pênalti de David Braz em Lucas Barrios, e também com a postura de alguns atletas rivais. ;O Heber Roberto Lopes é um árbitro experiente, o que passa tranquilidade. Mas o Luiz Flávio também era e não viu um lance claro;, disparou o técnico Marcelo Oliveira.

Lucas Lima e Ricardo Oliveira foram os mais criticados pelos palmeirenses, que acusaram os adversários de tentarem arrumar confusão. No fim, quem acabou expulso foi o lateral-direito Lucas, após jogar a bola em Lucas Lima.

Freio

Declarações dos dois lados apimentaram mais a decisão e fizeram com que os técnicos tivessem que colocar um freio nas provocações. Tanto Dorival Júnior como Marcelo Oliveira temem que o excesso de vontade desestabilize as equipes.

Quando parecia que não teria mais como esquentar o confronto, uma editora publicou, na última segunda-feira, um pôster do Santos campeão, algo que deixou os atletas do Palmeiras ainda mais motivados. A revista foi bastante lembrada pelos jogadores e deve ser parte do assunto da preleção da partida.

Marcelo Oliveira, porém, jura que não partirá dele a ideia de usar as provocações. ;Não gosto disso e não utilizo essas coisas. Acho que o jogador já vai muito pilhado naturalmente. Temos de ocupar espaço e dividir todas as bolas;, alertou.


Alfinetada

No Santos, o goleiro Vanderlei entrou no clima e também provocou o rival. ;O Palmeiras nem jogou aquele jogo. Só ficou se defendendo;, ironizou, em referência à primeira partida. ;Parou muito o jogo naquele dia. Eles demoraram três minutos para bater um lateral. Esperamos que seja uma partida melhor. Esperamos que a arbitragem também deixe o jogo rolar mais.;

Os dois técnicos resolveram fazer treinamentos fechados, mas não têm o que esconder. Marcelo Oliveira não poderá contar com Lucas, suspenso, e vai escalar o jovem lateral-direito João Pedro. ;Por mais que ele tenha um lance ou outro errado, ele tem treinado bem;, explicou. E no Santos, Dorival Júnior não tem desfalques. Ele vai repetir a formação do duelo inicial.

PALMEIRAS
Fernando Prass; João Pedro, Jackson, Vitor Hugo e Zé Roberto; Arouca, Matheus Sales, Robinho e Dudu; Gabriel Jesus e Barrios
Técnico: Marcelo Oliveira

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Gustavo Henrique, David Braz e Zeca; Thiago Maia, Renato, Lucas Lima e Marquinhos Gabriel; Ricardo Oliveira e Gabriel
Técnico: Dorival Júnior

Estádio Allianz Parque
São Paulo (SP)

22h

Transmissão
Globo, Band, SporTV, ESPN Brasil e FOX Sports

Copa do Brasil
Final ; volta

Confiança
na conquista

Veja a opinião de dois famosos torcedores dos times finalistas para o embate desta noite

Alexandre Borges, ator

Nascido em Santos, mas palmeirense de coração. Motivo da paixão? Influência da família: o pai era italiano e adotou o alviverde. Em visita ao Correio, o ator comentou sobre o último confronto das duas equipes, na quarta-feira da semana passada: ;Foi jogão, o resultado foi justo;, diz, ao se referir à vitória do Peixe por 1 x 0. ;Agora, temos de brigar para reverter no nosso estádio. Meu palpite é 2 x 0 para o Palmeiras;, completa. Sobre o troféu, ele comenta: ;É importante. Em uma seca de títulos que vem o Palmeiras, o título viria em uma boa hora;.

Eduardo Suplicy,
secretário municipal de Direitos Humanos de São Paulo

Quando a política não está em primeiro plano, o secretário municipal de Direitos Humanos de São Paulo, Eduardo Suplicy
(PT-SP), faz questão de vestir a camisa santista. Ainda não se decidiu se vai ao Allianz Parque acompanhar a final da Copa do Brasil, mas certamente estará na torcida. ;Considero que o Santos está melhor que o Palmeiras, o que foi demonstrado na última partida, na Vila Belmiro. Mas acredito que o estádio estará lotado, isso pode influenciar;, pondera. Paulistano, Suplicy deve a tradição alvinegra na família ao pai, nascido em Santos.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação