Brasília é uma comédia

Brasília é uma comédia

Vinicius Nader
postado em 18/12/2015 00:00






;É uma peça que fala sobre Brasília para Brasília.; A definição é do ator Leonardo Ladislau para Brasília, um plano sem piloto, espetáculo que marca a estreia da Companhia de Comédia Câmera Legislativa. O debute do quarteto (a Leonardo somam-se Daniel Veloso, Paulo Victor e Sérgio Harger) será amanhã.

Brasília, um plano sem piloto brinca com a capital federal e seus estereótipos. Tudo com muito humor. ;Começamos a peça na Itália, durante o sonho de Dom Bosco, passamos pela inauguração, com Juscelino e chegamos até hoje, quando mostramos aspectos que vão da política à falta de segurança;, adianta Leonardo. Nem a dupla de policiais Cosme e Damião escapa.

O comediante acrescenta que o cotidiano da capital permeia a comédia e as cenas: ;Fazemos uma paródia do seriado As brasileiras, da Globo, com As candangas, que ganha episódios como A nova rica do Sudoeste Econômico.;

A Companhia de Comédia Câmera Legislativa nasceu de um desmembramento de outro grupo: Os filhos da peça, na qual Leonardo, Daniel e Paulo atuavam juntos. Sergio veio da Cia. da Ilusão. O G7 é uma espécie de padrinho da companhia, e Rodolfo Cordón, que faz parte da trupe, assina a direção.


SERVIÇO
Brasília, um plano sem piloto
Dramaturgia da Cia. Câmera Legislativa. Com Daniel Veloso, Leonardo Ladislau, Paulo Victor e Sérgio Harger. Direção de Rodolfo Cordón. Teatro Maristão (615 Sul). Amanhã, às 19h e às 21h; e domingo, às 20h. Ingressos a R$ 50. Não recomendado para menores de 14 anos. Informações: 9854-6094.

Encantamento pelo popular
Isabella de Andrade
Especial para o Correio
O projeto O encantador de ser gente foi buscar inspiração em camelôs e feirantes de rua para compor o espetáculo homônimo. No palco ; ou melhor nas ruas ;, Thiago Francisco (Mamulengo Fuzuê), Chico Simões (Mamulengo Presepada), o mímico Abder Paz e o palhaço e diretor teatral Zé Regino criam experimentações cênicas a partir da observação de pessoas comuns nas ruas da cidade.

Responsável pela orientação cênica do grupo, Zé Regino lembra que na rua a relação é mais direta em todos os aspectos: ;Não é como no teatro, que você tem toda uma estrutura entre você e a plateia e você tem que ganhar a atenção do público, mantê-lo como cúmplice durante todo aquele tempo em que você está realizando seu trabalho. É um exercício muito importante para o ator.;VO

SERVIÇO
O encantador de ser gente
Espetáculo de rua dirigido por Zé Regino. Amanhã, às 9h e às 13h, na Feira de Ceilândia; domingo, às 9h e às 13h, na Feira Livre da 311, em Samambaia. Entrada franca. Classificação indicativa livre. Informações: www.mamulengofuzue.com.br.



Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação