Previsão para o Brasil piora

Previsão para o Brasil piora

postado em 14/01/2016 00:00

A cada dia, as previsões para a economia brasileira pioram. Ontem, o Bank of América-Merrill Lynch elevou a projeção de encolhimento do Produto Interno Bruto (PIB) do país para 3,5% neste ano. Para 2015, ficou em linha com o mercado e aposta que a queda foi de 3,8%. De acordo com o relatório do banco norte-americano, 2016 sugere ;novos riscos;.


;Ainda acreditamos que o ponto de virada da recessão depende de uma solução política. No entanto, os ruídos persistentes com o processo de impeachment (da presidente Dilma Rousseff), a mudança de comando no Ministério da Fazenda e as investigação da Operação Lava-Jato indicam que a recessão deve piorar;, avisa o documento. Para os economistas do banco, a atividade só deverá dar sinais de recuperação no último trimestre de 2016.


O economista-chefe da Austin Rating, Alex Agostini, lembrou que a piora nos indicadores de 2016 só está começando. ;O mau humor e as incertezas estão maiores em relação ao ajuste fiscal necessário;, destacou ele. A mesma opinião é compartilhada pelo economista Silvio Campos Neto, da Tendências. ;O pessimismo não estagnou. Estamos apenas no começo do ano e a tendência é de piora nas previsões nos próximos meses;, avisou.


Assim como a instituição financeira dos EUA, especialistas não veem com bons olhos a troca no comando da Fazenda. ;A nomeação de Barbosa (Nelson) não foi bem recebida pelos investidores. Por mais que ele tente sinalizar que vai estender o ajuste fiscal, há dúvidas, porque ele dá sinais contrários;, alertou o economista Bruno Lavieri, da 4E Consultoria. Ele teme que o governo volte a apostar no diagnóstico errado, colocando o pé no acelerador dos gastos públicos, voltando a dar incentivos para alguns setores escolhidos.


Procurada, a Fazenda, informou que ;a prioridade do ministro é o ajuste e não deverá sair medida que tenha impacto fiscal. O objetivo será melhorar o ambiente de negócios;. (RH)






Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação