Teclados antigos ainda resistem

Teclados antigos ainda resistem

postado em 14/01/2016 00:00
Ter o diploma de datilografia era um diferencial no currículo até a década de 1990. Nas repartições, escritórios e redações dos jornais, o tec-tec das máquinas de escrever prevalecia como som ambiente. Todos os documentos, cartas e relatórios passavam pela geringonça, que imprimia instantaneamente qualquer mensagem necessária.
Com o advento do computador, o equipamento caiu em desuso, mas recentemente tem sido resgatado por jovens de grandes cidades mundo afora. Mais uma tendência lançada pelo movimento hipster ; formado por pessoas que apostam em um jeito irônico de se comportar, resgatando objetos e modas antigas e os incorporando em seu cotidiano ;, a máquina de escrever voltou a ser vista em cafés de metrópoles como Nova York e São Paulo, sendo usada por jovens escritores.
Para quem não quer chegar a tanto, mas sente saudade ou gostaria de experimentar a sensação de usar uma máquina de escrever, um acessório moderno dá uma força. O Qwertywriter se conecta sem fio, via bluetooth, com iPhones, iPads, iMacs, Macpros, Macbooks e tablets Android e Windows e fornece o gostinho de ;bater; textos em uma peça que reproduz os antigos teclados. Se você se interessou pela experiência e quer adquirir o invento, terá que desembolsar R$ 1.400,00.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação