Eixo capital

Eixo capital

Ana maria campos/anacampos.df@dabr.com.br
postado em 14/01/2016 00:00
 (foto: Cristiano Gomes/CB/D.A Press)
(foto: Cristiano Gomes/CB/D.A Press)

Para esvaziar as cadeias

Nos bastidores, policiais civis e promotores de Justiça têm reclamado do resultado das audiências de custódia do Tribunal de Justiça do DF, como o delegado Rodrigo Larizzati fez publicamente no fim de semana em um desabafo sobre a liberação de dois traficantes presos quando vendiam crack. O motivo da indignação de policiais e de integrantes do Ministério Público é uma significativa redução das manutenções de prisões de criminosos quando o flagrante é avaliado pela Justiça. Mas é certo que, em parte, a intenção do Conselho Nacional de Justiça ao criar essas audiências é esse mesmo: esvaziar as cadeias para reduzir custos.




Economia bilionária

O próprio presidente do Supremo Tribunal Federal e do Conselho Nacional de Justiça, Ricardo Lewandowski, justificou a criação das audiências de custódia. Quer reduzir à metade o número de presos sem condenação no país. Hoje são 240 mil. A economia pode chegar a R$ 4 bilhões. Vista dessa forma, a medida é considerada controversa. No imaginário do cidadão que está em casa, suspeitos de crimes graves devem ficar atrás das grades. Mas a legislação abre muitas brechas.



Apologia ao estupro

A Delegacia Especial de Atenção à Mulher (Deam) vai investigar a origem de mensagens postadas em um site em que há apologia ao estupro, a agressões físicas e até ao assassinato de mulheres, chamadas de ;vagabundas;. A página, que aparentemente foi criada no fim do ano passado, prega claramente a violência. A intenção é localizar o responsável pelas publicações e tirá-las do ar.




Pedido de empenho

O procurador regional da República Alexandre Camanho recebeu o link do site que prega estupro, abriu e
ficou enojado. Em seguida, ligou para a Delegacia Especial de Atenção à Mulher (Deam), a colegas do Ministério Público Federal e do Ministério Público do DF para
pedir empenho na investigação sobre o caso.



Repelentes

Servidores da Secretaria de Saúde e o titular da pasta, Fábio Gondim, estavam lambuzados de repelente ontem de manhã, quando chegaram a Santo Antônio do Descoberto para uma reunião sobre o combate ao Aedes aegypti. A cidade, no entorno do DF, já registrou três notificações de zika vírus.




À espera do exame da OAB

Em vez de aproveitar o período de marasmo do recesso do Congresso para descansar, o ex-vice-governador Tadeu Filippelli (PMDB), aliado de Michel Temer, está em Brasília. Mas não é por causa de articulações políticas. Ele não carimbou o passaporte porque a mulher dele, Ana Paula Fernandes, se prepara para se submeter ao exame da OAB no próximo domingo.

Repasse do aumento

As operadoras de TV por assinatura já começaram a avisar os clientes sobre o aumento que passa a vigorar em janeiro. Vão repassar o reajuste de 10% para 15% na alíquota do ICMS sobre o serviço. O cidadão fica sem saber se reclama com o governo e Câmara Legislativa ou com a empresa.
O slogan do PSol

Em inserções do PSol na tevê, Antônio Carlos de Andrade, conhecido como Toninho do PSol critica o sistema de transporte do DF e defende a tarifa zero. Candidato ao Buriti nas duas últimas eleições, Toninho e a ex-deputada Maninha também apontam falhas na saúde pública e na provável adoção de organizações sociais na gestão de hospitais. O slogan é do partido é: ;Brasília precisa de governo. Brasília precisa do PSol;.




Depende do impacto

O governador Rodrigo Rollemberg (PSB) aguarda estudo da Secretaria de Fazenda sobre o impacto financeiro da inclusão de notas fiscais de compra de combustível no Nota Legal, antes de decidir se sancionará projeto que permite a ampliação do programa. O uso do crédito com despesas com gasolina está previsto em lei, de autoria do deputado Israel Batista (PV), aprovado pela Câmara Legislativa.



Siga o dinheiro

R$ 939.653,69

Licitação do governo para contratação de serviços de chaveiro com fornecimento de material de consumo e fechaduras




Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação