Desatenção que custa vidas

Desatenção que custa vidas

Fazer selfie e usar as redes sociais pelo celular ao volante viraram mania. Especialistas alertam: 10 segundos de olho no smartphone, em um carro a 80km/h, correspondem a percorrer 220 metros dirigindo às cegas

Márcia Delgado
postado em 14/01/2016 00:00

Frações de segundo de desatenção podem ser suficientes para causar uma tragédia no trânsito. O alerta vai para quem ainda insiste em dirigir falando, digitando mensagem, navegando nas redes sociais ou fazendo selfies no smartphone. Ao sair de casa para o trabalho de carro, basta olhar em volta para ver que esses hábitos são cada vez mais comuns. Somente no ano passado, o Departamento de Trânsito do Distrito Federal (Detran/DF) autuou 29.642 condutores que dirigiam falando ao celular. São quase três multas a cada hora.


De acordo com os especialistas, o número registrado pelo Detran é mínimo perto do total de pessoas que usam seus smartphones ao volante pelas vias da capital do país. É praticamente uma febre. ;As pessoas criaram uma dependência muito grande do celular, mas precisam entender que existem momentos de indisponibilidade para esse uso, e um deles é ao dirigir um veículo;, afirma Paulo César Marques, professor de Engenharia de Tráfego da Universidade de Brasília (UnB).
As estatísticas também servem como alerta. Uma pesquisa feita pela montadora Ford na Europa, com 7 mil jovens entre 18 e 24 anos, revela uma nova mania: a de tirar fotos pelo celular ao volante. Do total entrevistado, metade admitiu essa prática, e um em cada quatro (25%) afirmou já ter feito selfies. Cada um perdeu, no mínimo, 14 segundos para se fotografar, de acordo com o estudo. Segundos que podem custar uma ou mais vidas.


E as fotos não são a única ameaça à segurança dos motoristas e pedestres. Ainda de acordo com o levantamento da Ford, 25% dos jovens entrevistados admitiram usar as redes sociais com o carro em movimento. A maioria, homens. Nesse caso, 10 segundos perdidos para olhar rapidamente o Facebook, o Twitter, o Watsapp ou o Instagram pelo celular podem levar um carro, a 80km/h, a percorrer uma distância aproximada de 220 metros totalmente às cegas. Se uma pessoa for atropelada nesta velocidade, as chances de sobrevivência são quase nulas.


Na Europa, os acidentes de trânsito lideram as causas de mortes de jovens.

Legislação

No Brasil, quase 50 mil pessoas perdem a vida no trânsito a cada ano. Levantamento do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) revela os motivos da carnificina nas estradas. Os dados, referentes ao período de 2004 e 2014, mostram que a desatenção dos motoristas foi responsável por 32,6% dos acidentes e 20,3% das mortes nas estradas brasileiras. A alta velocidade motivou 10,5% das ocorrências de sinistros nas rodovias, mas representou 13,1% das mortes. No período analisado, aproximadamente 8 mil pessoas perderam a vida e cerca de 100 mil ficaram feridas em 169 mil acidentes nas rodovias brasileiras.


Conduzir e falar ao celular pode ser mais perigoso do que dirigir depois de ingerir bebida alcoólica. Também professor da UnB e presidente do Instituto Brasileiro de Segurança de Trânsito, David Duarte diz que, ao dirigir alcoolizado, o motorista reage tardiamente a uma situação de risco. Já ao guiar o carro usando o smartphone, o condutor não reage. ;Isso ocorre porque não está vendo a pista. Colisões traseiras, sem frenagem, muitas vezes são causadas pelo uso celular ao volante;, ressalta.


Quem dirige usando o celular infringe o artigo 252 do Código de Trânsito Brasileiro (CTB). A multa prevista é de R$ 85,13, e o motorista ganha 4 pontos na Carteira Nacional de Habilitação (CNH). A infração está no Código desde 1998. O coordenador de Trânsito da Região Metropolitana do Detran/DF, Glauber Peixoto, acredita que a lei deve ser atualizada. ;É preciso tornar a infração pelo menos gravíssima. Tivemos acidentes de trânsito em 2015 em que se percebe que o motorista nem freou, o que nos leva a suspeitar que, em muitos casos, usava o celular.;


Para Paulo César Marques, a atualização precisa ser mais bem discutida. ;Não sei se é o caso de a legislação ficar correndo atrás da evolução tecnológica, pois, a cada dia, surge algo;, ressalta.


Para a estudante Larissa Nogueira, 21 anos, mexer no celular enquanto dirige é algo corriqueiro. No entanto, ela afirma evitar usar o aparelho com trânsito pesado. ;Não costumo responder na hora em que a mensagem chega. Sempre espero o tráfego ficar tranquilo, ou um semáforo fechar;, diz a estudante.


Colaborou Geison Guedes

Para saber mais

Sistemas anticolisão

A falta de atenção ao volante é um problema tão preocupante que as montadoras estão em busca de soluções, como frenagem autônoma e sistemas anticolisão, para evitar mais tragédias no trânsito. No Brasil, modelos da Volvo, da Ford (Focus Hatch e Fastback), da Audi (A3 Sedan, que o leitor conferiu na última edição de Veículos), entre outros, contam com equipamentos e tecnologia que ajudam na prevenção de acidentes. Para este ano, a Mercedes-Benz deve incluir assistentes de direção em seus carros. Cada montadora cria a sua própria tecnologia, porém, o princípio é o mesmo: evitar colisões e fazer com que o carro freie sem ser necessária a participação do condutor. Principalmente em baixas velocidades, mais comuns em grandes cidades.

Estatísticas alarmantes

No Brasil

; Dados da Sociedade Brasileira de Ortopedia mostram que 84% dos motoristas do Rio de Janeiro e de São Paulo admitem usar o celular enquanto dirigem


; Dados do Ipea mostram que o número de acidentes nas estradas brasileiras passou de 112,5 mil para 169 mil entre 2004 a 2014


; Nesse período, quase 8 mil pessoas perderam a vida nas estradas e 100 mil ficaram feridas nos acidentes

; A desatenção foi responsável por 32,6% dos acidentes nas estradas entre 2004 e 2014


; A maioria dos acidentes ocorreu por batidas frontais entre veículos, atropelamentos e saídas de pista. A colisão frontal representou apenas 4,1% do total de acidentes, mas teve participação de 33,7% no total de mortes


; No Distrito Federal, 29,6 mil motoristas foram flagrados enquanto dirigiam falando ao celular em 2015


; A multa, nesses casos, é de R$ 85,13 e o condutor ganha 4 pontos na carteira. A infração é considerada média
; No Reino Unido, a multa por usar o telefone enquanto dirige é de cerca de R$ 4 mil. Por lá, a punição para quem dirige embriagado é de R$ 19,5 mil

No Exterior
; Dos 7 mil jovens entrevistados pela Ford na Europa: 50% tiram foto enquanto dirigem


; Um em cada quatro europeus de 18 a 24 anos tira selfies com o carro em movimento


; Um em cada quatro acessa mídias sociais ao dirigir um veículo, sendo os homens jovens aqueles com maior possibilidade de assumir riscos


; Motoristas britânicos são os que mais tiram selfies ao volante ; um em cada três; 95% concordam que esses hábitos são perigosos


; Estudo do Departamento de Trânsito dos Estado

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação