Drops digitais

Drops digitais

postado em 21/01/2016 00:00
 (foto: Robert Galbraith/Reuters - 12/5/14 )
(foto: Robert Galbraith/Reuters - 12/5/14 )
; Segurança 1
Falha no Linux ameaça computadores


Uma brecha de segurança recém-descoberta no sistema operacional Linux pode ser usada por hackers para tomar o controle de um computador. A falha foi encontrada pela companhia de segurança Perception Point e existe nas máquinas operadas pelo software livre há quase três anos. De acordo com a empresa, o bug pode afetar dezenas de milhões de PCs e servidores, assim como 66% dos smartphones e tablets Android. O problema localiza-se na parte do sistema operacional usada para armazenar dados de segurança, chaves de autenticação e de criptografia, e permite que um item dessa região seja substituído por um código malicioso. Afeta o Linux 3.8, versão lançada no começo de 2013, e pode atingir qualquer Android rodando o sistema KitKat ou superior.


; Segurança 2
Senha mais popular é 123456


Todos os anos, a companhia SplashData revela quais são as senhas mais populares . Em 2015, o ranking mostra que os internautas dão preferência às combinações mais óbvias, contrariando recomendações básicas de segurança. Liderando a lista estão a sequência ;123456; e a palavra ;password;, que já estavam no topo do ano passado. Os resultados de agora, baseados em um total de mais de 2 milhões de códigos vazados, também incluem uma variedade de sequências numéricas crescentes, nomes de esportes e palavras óbvias, como welcome e letmein (bem-vindo e deixe-me entrar, em inglês). Entre as combinações estreantes, estão ;login;, ;password; e ;princess;. Uma surpresa foram as senhas ;starwars; e ;solo;, tendência que provavelmente está ligada à recente estreia do filme da franquia de ficção científica.


; Índia
Facebook tem neutralidade questionada


Entidades de 30 países divulgaram uma carta aberta a Mark Zuckerberg (foto) em que acusam o Facebook de ameaçar a neutralidade de rede na Índia. O grupo critica a iniciativa Free Basics, que pretende oferecer conteúdos gratuitamente à população do país por meio de acordos com prestadoras de serviço de internet móvel. A medida é vista como uma ameaça à neutralidade de rede, pois limita o acesso à internet a uma única plataforma, de responsabilidade restrita a empresas privadas como o Facebook e as operadoras de telefonia. A empresa de Zuckerberg criou uma petição contra os opositores da Free Basics e convidou os usuários a assinar o documento pela rede social e anúncios de jornal.


; Fabricantes
Denúncia de exploração de trabalho infantil

Um novo relatório da Anistia Internacional revela que Apple, Samsung e Sony usam matéria-prima adquirida a partir da exploração de trabalho infantil. O relatório foca no minério de cobalto na República Democrática do Congo ; origem de 50% de todo o mineral que é usado na produção de baterias de íon-lítio. Segundo o documento, o cobalto é extraído no país por crianças a partir de 7 anos de idade e adquirido por grandes empresas de minerais que o processa para vendê-lo a empresas da China e da Coreia do Sul, onde ele é usado para fazer baterias. O relatório alega que até 40 mil crianças trabalham nas minas de cobalto no Congo, ganhando menos de US$ 2 por jornadas de 12 horas diárias. À BBC, a Apple explicou que estaria avaliando os materiais ;para identificar riscos de trabalho e ambientais;. A Sony afirmou que está ;trabalhando com fornecedores para solucionar problemas relacionados a condições de trabalho e direitos humanos;, e a Samsung informou que seus contratos com fornecedores que usam trabalho infantil ;serão imediatamente interrompidos.;



Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação