Ritmos que vêm do norte

Ritmos que vêm do norte

postado em 21/01/2016 00:00
 (foto: Thiago Sabino/Divulgação)
(foto: Thiago Sabino/Divulgação)


Mineira, crescida em Brasília, mas com um pulsar cultural que vem do Norte, Emília Monteiro tira fôlego de ritmos que marcam as músicas paraense e amapaense, como batuque, carimbó chamegado, lundu e zouklove para dar voz à composições que retratam o forte dos costumes nortistas. ;Com o tempo, a música acabou tomando proporção maior na minha vida;, conta Emília.

Atualmente, com o disco Cheia de charme lançado e participações de destaque em festivais da capital federal, como o Cena contemporânea, a cantora se prepara para abrir o carnaval brasiliense neste sábado, no bloco Suvaco da Asa, que ocupa o Eixo Monumental a partir das 10h.

;No show, vou mesclar vários ritmos agitados e trazer canções de artistas, como Dona Onete, Lia sofia, Felipe Cordeiro e Felix Robatto;, acrescenta a cantora. Segundo Emília, por meio de ritmos marcantes, ela gosta de mostrar o sincretismo brasileiro e a alegria transmitida ao embalar a variação cultural presente no país.

História
Por ser de uma família que respira diferentes ritmos, Emília entrou no mundo das canções cedo e, ao abrir shows de cantores como Alceu Valença, em Brasília, passou a conquistar espaço nos palcos. Porém, depois de engravidar e ser mãe, viu que não conseguiria continuar com a vida de tocar de bar em bar nas noites da capital e se distanciou da carreira por 10 anos.

;Infelizmente a música ainda não me deu asas para viver só dela.; A cantora também é servidora pública, mas, já que paixão pela música é grande, mesmo depois de passar uma década longe dos palcos, voltou em 2011 com a proposta do lançamento de um CD, que foi realizada em 2013 com o nome de Cheia de Charme.

Canções como Eu quero este moreno pra mim, Veneno de cobra e Coisinha compõem o CD com o qual Emília ainda faz turnê em 2016. ;Como ainda não me descobri compositora, escolhi músicas que retratam a minha história e meu jeito de ver a vida;, diz. Em Cheia de Charme, ela dá voz tanto a compositores que nunca foram cantados antes, quanto a letras de grandes nomes, incluindo Dona Onete e Zeca Baleiro.

;Estou muito feliz com a minha carreira e me sinto muito bem acompanhada com os melhores músicos de Brasília;, comemora, ao lado da banda, por ela apelidada de botos, formada por João Ferreira, Vavá Afiouni , Marcus Moraes, Thiago Cunha, George Lacerda, Westonny Rodrigues e Filipe Silva.

Emília destaca que está em uma época gloriosa da carreira e comenta um pouco sobre algumas das músicas que mais gosta de cantar. ;Quando pedi para Dona Onete para cantar a música Moreno Morenado no meu CD, disse assim: ;Dona Onete, quero esse moreno pra mim;. Por isso ela decidiu compor Eu quero este moreno pra mim; fiquei muito feliz em gravar uma música dela feita para mim;, completa Emília.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação