Oficina de sons

Oficina de sons

Estúdios brasilienses se destacam na produção de discos nacionalmente reconhecidos, como o projeto Mensagem e CDs da Scalene

» IRLAM ROCHA LIMA
postado em 01/02/2016 00:00
 (foto: Arquivo Pessoal)
(foto: Arquivo Pessoal)


A música brasiliense, apreciada nacional e internacionalmente, vem tendo nas produtoras estabelecidas na cidade o suporte para que a criação dos compositores, cantores, grupos e bandas ecoem mais longe. Nelas, discos e vídeos são gravados e projetos, desenvolvidos.

Banda que ganhou projeção nacional, ao se destacar no reality show Superstar, a Scalene já havia gravado dois CDs, ao tomar parte do programa da TV Globo. Tanto o Real/ Surreal (2013) quanto o Éter (2015), assim como The Pilgrim, álbum solo do guitarrista e vocalista Gustavo Bertoni, foram feitos na Rockin Hood, produtora que Diego Marx mantém no Guará.

Segundo Diego, pequenos estúdios, que utilizam modernos equipamentos, uma tendência dos tempos de hoje, ;são muito funcionais e atendem plenamente às necessidades de quem deseja fazer uma gravação de qualidade. Mas, para isso, é preciso contar com técnicos especializados e competentes;.

Etno, Lafusa, Perfecto e o guitarrista Dillo também produziram trabalhos no Rockin Hood, assim como Móveis Coloniais de Acaju, que gravou ali um disco com Gabriel Thomaz, do Autoramas, Vai Thomaz no Acaju, lançado em 2006; e a banda carioca Hover.

Tomás Bertoni, guitarrista da Scalene destaca a competência de Diego à frente da produtora. ;O registro na Rockin Hood foi plenamente satisfatório, tanto que ao relançar nossos dois álbuns, a Som Livre não precisou fazer nenhum tipo de ajuste;. O músico e compositor entende que, além de oferecer boa estrutura, os pequenos estúdios ; conhecidos, também, como ;caseiros; ; ;nos permitem fazer nosso próprio horário, com flexibilidade e conforto, num ambiente mais intimista;.

Instituição candanga

Das produtoras que atuam na cidade, a mais antiga é a Zen Studio, que funciona há 30 anos na sala 1119 do Brasília Rádio Center, na Avenida W3 Norte. Contemporâneo da geração que colocou o rock da capital no mapa da música brasileira, Andy
Costa continua no comando dessa autêntica instituição candanga. Atualmente, ele tem como sócios, Bego e Érica Boaventura.



;Todas as bandas oitentistas passaram pelo Zen. Temos registro, também, de Cássia Eller, à época vocalista da Malas & Bagagens, e de Zélia Duncan, quando ainda se chamava Zélia Cristina; e depois dos Raimundos e do Natiruts. Oswaldo Montenegro gravou dois CDs em nosso estúdio;, lembra Andy.

O talento do produtor é reconhecido mesmo fora dos limites de Brasília. Ele já trabalhou com Milton Nascimento e Elba Ramalho, no Rio de Janeiro; Caetano Veloso e Carlinhos Brown, em Salvador; Renato Teixeira, Zeca Baleiro e Mônica Salmaso, em São Paulo; e até Antônio Zambujo e Dulce Pontes, em Lisboa.

Mais recentemente, no Zen foram gravados dois CDs do projeto Mensagem, André Luiz Oliveira, com versões musicadas de poemas do poeta português Fernando Pessoa. O projeto, que incluiu, ainda dois DVDs, teve a participação de nomes destacados da MPB, entre os quais, Gilberto Gil, Caetano Veloso, Ney Matogrosso, Milton Nascimento, Fagner, Elba Ramalho e Zizi Possi.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação