Oposição fala em pós-Dilma

Oposição fala em pós-Dilma

JULIA CHAIB
postado em 02/03/2016 00:00

Partidos de oposição se reuniram mais uma vez com grupos a favor do impeachment da presidente Dilma Rousseff para reforçar o apoio às manifestações marcadas para o próximo dia 13. Ontem, após a filiação ao PSDB do senador Ricardo Ferraço (ES), que deixou o PMDB, líderes estiveram com representantes de diversos movimentos. Ao defender o apoio aos atos e enaltecer a importância de adesão à sigla, o presidente do PSDB, senador Aécio Neves, passou a usar a expressão ;pós-Dilma; e a necessidade de construção de uma nova agenda.

;A saída para o Brasil, no pós-Dilma, que eu espero se dê o mais rapidamente possível, terá de se dar com diálogo, terá de se dar com a construção de uma nova agenda que passe por confiança, por credibilidade porque a presidente, infelizmente, para todos nós brasileiros, já perdeu;, disse Aécio. Na reunião com os movimentos de rua, ficou decidido que líderes e presidentes de partidos oposicionistas ; DEM, PSDB, PV, SD e PPS ; serão instalados em um palanque, no dia 13, em Brasília ou São Paulo. Também estão previstos atos coordenados em estados e municípios até o dia do protesto pelo ;Fora, Dilma;, termo que englobar o impeachment e a as ações que pedem a cassação da chapa no Tribunal Superior Eleitoral.

Estiveram na reunião representantes de pelo menos quatro movimentos: Movimento Brasil Livre, Vem pra Rua, Avança Brasil e o Aliança ; que reúne 45 movimentos. Representante da Aliança, Carla Zabelli, do movimento Nas Ruas, explicou que os próprios grupos decidiram recorrer aos políticos. ;A partir do momento em que passou a tramitar (o impeachment), se tornou um movimento político. Era necessário pressionar os deputados e senadores ou conversar com eles;, disse.



Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação