Amor e superação na telona

Amor e superação na telona

» Ricardo Daehn
postado em 02/03/2016 00:00
 (foto: Systemic Productions/Divulgação)
(foto: Systemic Productions/Divulgação)


Uma determinada busca por independência, autonomia, compreensão e amor alarga as possibilidades de convívio entre todos, como apontam os temas explorados pela sétima edição da mostra Assim vivemos ; Festival internacional de filmes sobre deficiência, a partir de hoje no Centro Cultural Banco do Brasil. Até 14 de março, em programação com quatro sessões diárias (com entrada franca), será possível acompanhar enredos de vida como a da adolescente russa que é surda, dona de inteligência aguda que a torna bastante expansiva, no filme Lições de italiano.

Vencedor de festivais como o californiano Internacional Family Film e concorrente, entre outros, ao Woodstock Film Festival, o curta de ficção australiano O entrevistador se revela como uma das prestigiadas atrações. ;Muita gente do público se impressiona com ele: mostra um homem com síndrome de Down que, após ser dedicar por muito tempo em tarefas simples, consegue expandir o alcance da competência;, observa a diretora do festival, Lara Pozzobon.

Lara destaca a empatia gerada por personagens reais, como a protagonista de Prima Madenn. ;Essa francesa foi diagnosticada nos Transtornos do Espectro Autista (TEA): vista de perto, ela é igual a qualquer pessoa, mesmo com traços de deficiência intelectual;, conta. Dirigida por um familiar de Madenn, a fita revela o comprometimento de um primo, da mesma idade dela, que visa esclarecer limites para as diferenças entre ambos.

Com bastante autonomia, Madenn trabalha, tem namorado e vai a Paris sozinha para passar o fim de semana com o primo. ;Externamente, ela tem traços que indicam alguma diferença, mas, de perto, pensamento e sentimentos expõem igualdade. Na narrativa, o detalhe que mais intriga o primo é que, por escrito, Madenn expressa uma complexidade muito superior às conversas pessoais mantidas entre ambos;, assinala a diretora do festival.

Intimidade e revelações

Recém-premiado como melhor documentário estrangeiro de curta, no Hollywood International Independent Documentary Award, o israelense Independente mostra um rapaz, formado em jornalismo, que busca o primeiro emprego e quer sair da casa dos pais. Com forte ponte de confiança estabelecida, a diretora Ariela Alush consegue alcançar extremos de intimidade junto do personagem central.

;Ele tem paralisia cerebral, não consegue falar, e se locomove em cadeira de rodas. Ainda assim, escreve roteiros de filmes e persegue metas bem definidas. Os diálogos engraçados do filme refletem o humor perspicaz do protagonista;, conta Lara Pozzobon.

Mesmo quem não tem interesse especial no tema do festival é envolvido por filmes como o espanhol Gabor, na ótica de Pozzobon. ;O filme traz um exemplo de reconquista da independência. Trata de um fotógrafo que ficou cego e, 10 anos depois, é desafiado a dirigir a fotografia de um documentário sobre pessoas cegas. Aos poucos, ele retoma a confiança e recobra o aprimoramento técnico do passado;, sublinha a diretora da mostra Assim vivemos.


Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação