Delator complica o ex-presidente

Delator complica o ex-presidente

postado em 06/03/2016 00:00

O deputado federal Pedro Corrêa (PP-PE), preso há quase um ano pela Operação Lava-Jato, deve assinar acordo de delação premiada nos próximos dias, segundo reportagem da revista Época desta semana. O texto da revista diz que, de acordo com Corrêa, ;Lula sabia da existência do petrolão e da função exercida no esquema pelo ex-diretor da Petrobrás Paulo Roberto Costa;. A proposta de delação já teria 73 capítulos e mencionaria 130 agentes políticos.

A revista informa que, em sua proposta, o ex-presidente do PP ;não apresenta provas robustas, extratos bancários, mas faz uma verdadeira crônica da política brasileira, apontando irregularidades e falcatruas em diversos períodos da história e em distintos partidos;. São citados desde líderes de partidos no Congresso Nacional até ex-presidentes. Para processar todo o conteúdo e chegar a um acordo final, os procuradores envolvidos na Lava-Jato, em Brasília, levaram quase seis meses.

Num trecho, Corrêa teria dito que ele e seu colega de partido João Pizzolatti foram ao escritório do advogado Luiz Eduardo Greenhalgh, petista histórico e próximo a Lula, e encontraram Marcos Valério e um empresário. Greenhalgh, Valério e o empresário queriam que Corrêa e Pizzolatti os ajudassem a fechar um contrato com a área da Petrobras comandada por Costa. Segundo a reportagem, o ex-deputado do PP explicita que o mensalão originou o ;petrolão;.

A defesa de Corrêa não confirma que o ex-deputado esteja prestes a fechar um acordo de delação. O acordo com a Procuradoria-Geral da República, no entanto, deve sair até o fim do mês. Procurado por Época, Lula, por meio de sua assessoria, afirmou que ;não comenta supostas delações e repudia o jornalismo feito por vazamentos ilegais;.



Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação