Sr. Redator

Sr. Redator

Cartas ao Sr. Redator devem ter no máximo 10 linhas e incluir nome e endereço completo, fotocópia de identidade e telefone para contato. E-mail: sredat.df@dabr.com.br
postado em 06/03/2016 00:00





Mobilidade
Apesar de ter o segundo maior IDH do país (0,824), segundo o IBGE/2010, Brasília não difere em nada de outras grandes metrópoles. O trânsito é um caos. Para uma cidade com quase 2,9 milhões de habitantes, a má qualidade do transporte público é afronta ao contribuinte, descumprimento ao direito de ir e vir e obstáculo à possibilidade de usufruir dos locais públicos, por absoluta falta de mobilidade. Esse empecilho aprofunda as desigualdades sociais e frauda o projeto urbanístico que deu à capital do título de patrimônio cultural da humanidade. Às vésperas de completar 56 anos, Brasília enfrenta problemas tão ou mais graves do que as centenárias capitais. O grave é perceber que o poder público pouco ou nada faz para mudar essa realidade tão perversa à qualidade de vida local.
Bruno de Amorim Silveira, Águas Claras



Educação

Ocorrências policiais, pichações e medo. Alunos e professores do Centro de Ensino Fundamental (CEF) n; 1, aqui em Brazlândia, sempre se referiam à escola como o Carandiru do DF ou Filial do Caje. Esse era o clima que envolvia a instituição até 5 anos atrás. A escola ainda é um exemplo, mas não melhorou o índice de aproveitamento. Hoje, já está de bom tamanho. Orgulha-nos saber que o Carandiru do DF não existe mais. A transformação tem tudo a ver com a dedicação e empenho da direção e corpo docente, o que faz toda a diferença para transforma o ensino e a educação.
Maria do Carmo Mendonça, Planaltina


Justiça

Mentira e falcatruas têm limites. Um dia a casa cai. Há algum tempo, a Justiça tem sido mais rigorosa. Por muito tempo, o DF foi terra de ninguém, onde os amigos do rei faziam o que bem entendiam. Chegaram ao fim da linha. É isso que representa a decretação de prisão do ex-deputado distrital Benedito Domingos pelo Superior Tribunal de Justiça. Lamentável que um senhor, aos 81 anos, seja punido com privação de liberdade, após 46 anos na política. Mas é importante que a lei seja cumprida e iniba a ação daqueles que confundem o público com o privado. Ao ocupar cargos relevantes na hierarquia do Estado, há quem não saiba fazer a distinção e transacionam com o que é público para beneficiar a si ou a grupos. Passamos da hora de dar um basta a essa prática tão nociva aos interesses da sociedade.
Bethânia Miranda, Taguatinga


Fracassos

Quando vemos fracassados projetos socialistas de governo na América Latina, resta supor que a região, colonizada de forma brutal a partir do século 16, tem como sina a submissão do seu povo aos interesses da elite conservadora, para a qual o bem-estar dos menos favorecidos é regalia inadmissível. Não dá para deixar de lamentar o fracasso desses projetos políticos voltados aos despossuídos. No Brasil, vimos a ascensão dos mais pobres, a redução drástica da miséria, o acesso de negros e pobres ao ensino superior. Pior que os projetos são sabotados por quem tinha envolvimento direto na sua construção. A ruína do PT foi o próprio. É triste. Pior é saber que o descalabro de alguns é a brecha que os conservadores almejavam para voltar ao poder.
Arthur Mariano Vieira, Águas Claras


Núcleo Pioneiro

Moro no Núcleo Bandeirante há mais de 30 anos e não gostaria de ver minha cidade, que é histórica, retalhada como o GDF está estudando. No ano passado, foi apresentado um projeto do governo, chamado Núcleo Pioneiro. Eles querem juntar as administrações do Park Way, da Candangolândia e do Núcleo Bandeirante numa só. Essa Câmara de (gás) Legislativa vai se pronunciar e só Deus sabe o que pode sair daquele reduto. Estamos participando de uma mobilização com a comunidade contra essa indecência.
Álvaro Mesquita, Núcleo Bandeirante

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação