Versos ao vento

Versos ao vento

Por Zuleika de Souza
postado em 06/03/2016 00:00


No coração da Asa Sul, a Igrejinha pulsa. E, nos domingos ensolarados, ela parece brilhar. Enquanto os fiéis oram, o cheiro das grelhas do Xique Xique invade a praça, com o perfume da carne de sol. Crianças, corredores e ciclistas cruzam as calçadas quebrando o silêncio da missa. Domingo passado, um algodão-doce e cartazes com algumas estrofes, pendurados em uma árvore, da música Chega de saudades, de Tom Jobim e Vinicius de Moraes, balançavam ao vento. Na praça em que Lucio, Oscar, Jk, Athos, Volpi, Galeno e os candangos deram vida à Unidade de Vizinhança, os versos são uma boa trilha sonora.


Abraços e beijinhos e carinhos sem ter fim/
Que é pra acabar com esse negócio/
De você viver sem mim/
Não quero mais esse negócio/
De você longe de mim/
Vamos deixar desse negócio/
De você viver sem mim...

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação