Um espetáculo triplo

Um espetáculo triplo

postado em 20/05/2016 00:00
 (foto: CISNE NEGRO CIA. DE DANÇA/Divulgação
)
(foto: CISNE NEGRO CIA. DE DANÇA/Divulgação )





A companhia Cisne Negro, uma das maiores referências da dança no Brasil, traz a Brasília um repertório triplo, com os sucessos Boi no telhado e Sabiá, e a estreia de Sra. Margareth.

A música homônima de Chico Buarque e Tom Jobim dá a base para Sabiá. A coreografia do português Vasco Wellenkamp foi composta especialmente para a Cisne Negro. Boi no telhado, com coreografia de Tíndaro Silvano, ilustra a composição musical de mesmo nome, que nasceu do contato de um compositor francês, Darius Milhaud, com a música brasileira.

A estreante Sra. Margareth é uma montagem da coreografia de Barak Marshall, Monger, e conta a história de um grupo de servos aterrorizados que são mantidos cativos em um porão pela terrível patroa, sra. Margareth.

;Achamos que a obra tinha nosso perfil. É um tema bacana, atual, bem colocado por Barak;, conta Dany Bittencourt, diretora artística da trupe. Na opinião dela, o público não terá dificuldades em se conectar com a peça, que aborda questões como a opressão e as relações de poder.

Dany acredita que mesmo quem não está acostumado com a linguagem gestual da dança-teatro poderá desfrutar da apresentação sem dificuldades. ;O público não terá nenhuma dificuldade. A peça prende muito, tem momentos engraçados e bizarros;, conta.

SERVIÇO
Sra. Margareth
Espetáculo da cia. Cisne Negro. Teatro da Caixa (SBS q.4 lt. 3/4; 3206-6456). Hoje e amanhã, às 20h, domingo, às 19h. Ingressos a R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia). Não recomendado para menores de 12 anos.

As várias formas de amar


Isabella de Andrade
Especial para o Correio
A proposta da peça Ladrão de mim, idealizada por Lucianna Mauren, é levar ao público uma experiência teatral compartilhada dentro de uma instalação videográfica, sonora e visual, que circulará por teatro e bibliotecas públicas do DF. Ao escolher espaços não convencionais para as apresentações, a artista pretende se aproximar mais do público e conectar espectadores e cena de maneira sensível. O espetáculo vai percorrer espaços diversos e foi construído para transitar entre realidades e ficção, mostrando as vivências de uma personagem solitária.

A montagem faz parte da pesquisa de mestrado de Lucianna Mauren e vem sendo desenvolvido desde 2008. Para a artista, ;as várias formas de amor podem revelar as fragilidades da existência humana;.

Outros elementos contribuem para a aproximação com o público, como uma videoinstalação com composições de imagens criadas pela professora da Universidade de Brasília Roberta K. Matsumoto e áudio de João de Lucas. A instalação fica aberta ao público também fora dos horários de apresentação, e a ideia é representar os espaços de uma casa.

Serviço
Ladrão de mim
Biblioteca Pública de São Sebastião. Hoje, às 20h. Entrada franca. Não recomendado para menores de 16 anos. Informações: 8538-2812.


Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação