>> DEU no www.correiobraziliense.com.br

>> DEU no www.correiobraziliense.com.br

postado em 17/06/2016 00:00
 (foto: Rovena Rosa/Agência Brasil)
(foto: Rovena Rosa/Agência Brasil)


Bombeiros resgatam corpo de vítima
de desabamento de igreja em SP


Os bombeiros encontraram no início da tarde de ontem o corpo de uma mulher que foi soterrada após o desabamento de uma igreja da Assembleia de Deus, em Diadema, região metropolitana de São Paulo, ocorrido na quarta-feira, 15. Durante a madrugada, os bombeiros haviam resgatado dois homens, com vida. O desabamento deixou quatro pessoas feridas, que foram atendidas nos hospitais da região, e três soterrados. Os dois foram retirados pelos bombeiros quase 12 horas após o acidente. Segundo a prefeitura de Diadema, estava ocorrendo uma obra sem autorização. A igreja funcionava há cerca de 60 anos no local, conforme a Assembleia de Deus. A Prefeitura de Diadema informou que, dois dias antes do desabamento, na última segunda, mandou a igreja paralisar as obras após ter identificado movimentação de terra. De acordo com a administração municipal, a obra apresentava riscos.

Boate de Santos terá de indenizar em
R$ 180 mil vítima de estupro coletivo


A Justiça condenou os donos de uma boate a pagar indenização de R$ 180 mil a uma jovem que foi vítima de estupro coletivo no interior da casa noturna, em 2012, em Santos, no litoral sul paulista. A decisão do juiz José Vitor Teixeira de Freitas, da 1; Vara da Fazenda Pública, foi divulgada ontem. Os acusados do crime são seguranças da boate. O juiz considerou que a empresa responde civilmente pelos atos de seus empregados ou prepostos. Os quatro sócios do estabelecimento, que funcionava no centro histórico da cidade e foi desativado, já entraram com recursos. A vítima tinha 17 anos e se divertia na boate Allure Café, em uma madrugada de setembro daquele ano, quando o estupro ocorreu. Segundo testemunhas, ela estava embriagada e, com o pretexto de buscar atendimento na enfermaria, um segurança a levou ao banheiro para deficientes físicos. Nesse local, o segurança e dois colegas abusaram da jovem.

Ouvidoria apura morte de homem
durante abordagem por PM


A Ouvidoria da Polícia do Estado de São Paulo investiga a ação de policiais militares que resultou na morte de Bryan Cristiano Bueno Silva, 22 anos, durante uma abordagem, há uma semana, em Ourinhos, no interior de São Paulo. Bryan estava no banco de passageiros de um carro com quatro amigos quando o motorista recebeu ordem de parar. Ao abordar os ocupantes, um policial disparou a arma. O tiro atingiu o rapaz no pescoço e ele morreu na hora. Os jovens saíam de uma feira agropecuária, e o carro esbarrou em um cone de sinalização, o que fez os policiais suspeitarem de que o motorista estaria embriagado. Nenhum deles tinha antecedentes criminais. Ao comando da PM, os policiais alegaram que houve um disparo acidental, pois a vítima teria feito um movimento brusco, interpretado como possível reação à abordagem. Os acompanhantes do rapaz disseram que Bryan não esboçou nenhuma reação e estava com o cinto de segurança quando foi atingido. A bala que atingiu Bryan perfurou o cinto. Segundo as testemunhas, o policial agarrou o rapaz pelo colarinho e atirou à queima-roupa.

Saliva do mosquito pode aumentar
severidade da dengue, diz estudo


A saliva do mosquito Aedes aegypti pode ter um papel importante na gravidade da infecção por dengue, de acordo com um novo estudo feito por cientistas da Bélgica e dos Estados Unidos. Segundo a pesquisa, publicado ontem na revista científica PLOS Pathogens, a presença da saliva do mosquito acelera o alastramento do vírus no corpo do paciente. Ao inocular o vírus em camundongos, os cientistas descobriram que a presença da saliva do mosquito enfraqueceu os vasos sanguíneos, tornando-os mais permeáveis. Ao facilitar as trocas entre os vasos sanguíneos e outros tecidos do organismo, a saliva pode ajudar o vírus a se espalhar mais rapidamente, aumentando a severidade da doença, segundo os autores do estudo.

Pesquisa aponta que 82% dos
municípios não têm coleta seletiva


Seis anos após a aprovação da Política Nacional de Resíduos Sólidos no Brasil, 82% dos municípios ainda não desenvolvem programas de coleta seletiva de lixo. O dado é da pesquisa Ciclosoft 2016, divulgada pela organização Compromisso Empresarial para Reciclagem (Cempre). O estudo revela que houve um aumento de 138% na abrangência nacional da coleta seletiva, apesar de apenas 1.055 cidades brasileiras operarem o serviço (18% do total de municípios do País). ;A velocidade de adesão ainda é menor do que o desejável;, aponta a associação, que publica o relatório a cada dois anos. Um dos motivos pode ser o custo médio da coleta seletiva, que é de R$ 389,46 ; mais de quatro vezes maior do que o da convencional (R$ 95), segundo a pesquisa.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação