Ataque ao lobby de armas

Ataque ao lobby de armas

Obama visita familiares de vítimas do atentado à boate Pulse, em Orlando, e convoca o Congresso a aprovar leis que limitem acesso aos armamentos. CIA alerta sobre aumento de terrorism

Rodrigo Craveiro
postado em 17/06/2016 00:00
 (foto: Saul Loeb)
(foto: Saul Loeb)



Durante visita emotiva a Orlando (Flórida), o presidente norte-americano, Barack Obama, prestou condolências aos familiares das 49 vítimas do massacre na boate LGBT Pulse e defendeu a adoção de medidas para prevenir mais carnificinas. Acompanhado do vice, Joe Biden, ele depositou 49 flores num memorial montado a cerca de 2km do local do maior tiroteio em massa da história dos Estados Unidos e se dirigiu aos parentes dos mortos. Obama classificou de ;indescritível; a dor dessas pessoas e disse que Orlando foi ;abalada por um ato do mal e odioso;. ;Hoje, nos lembramos do que é bom ; paixão, empatia, decência e, acima de tudo, que há amor. Isso é o que Orlando tem visto nos últimos dias, e é o que os EUA têm visto;, declarou. ;Em nome do povo americano, nossos corações estão destroçados também. Nós estamos com vocês. Nós estamos aqui por vocês. E estamos recordando aqueles que vocês amavam tão profundamente.;

Após a reunião com os familiares, Obama criticou o establishment de Washington e, indiretamente, o poderoso lobby da Associação Nacional de Rifles (NRA, pela sigla em inglês). Ele convocou os congressistas para que respondam ;à altura; e aprovem propostas limitando o comércio de armas nos EUA. ;Nossos políticos têm conspirado para tornar tão fácil quanto possível para um terrorista, ou para um indivíduo perturbado, comprar armas extraordinariamente poderosas. E eles podem fazê-lo legalmente;, afirmou. ;Hoje, uma vez mais, como tem sido verdade por tantas vezes antes, eu abracei familiares e pais enlutados e eles me perguntaram: ;Por que isso continua ocorrendo?; E eles pediram para que fizéssemos mais para deter a carnificina. Eles não se importam com a política. Nem eu.;

Uma informação repassada à rede de TV CNN por fonte ligada às investigações pode apressar o indiciamento de Noor Salman ; viúva de Omar Mateen, o atirador que utilizou um fuzil AR-15 para executar os frequentadores da Pulse. De acordo com a fonte, Mateen trocou mensagens com a mulher durante o massacre. Por volta das 4h (5h em Brasília) de domingo, duas horas após o início do atentado, ele perguntou a Noor se ela tinha visto as notícias. Ela teria respondido, também por mensagem de texto, alegando que o amava. Noor tentou telefonar várias vezes para o marido, mas ele não atendeu.

O contador John Eden, 26 anos, um dos sobreviventes da boate Pulse, não se comoveu com a visita de Obama e de Biden. ;Não acho que eles tenham sido muito sinceros. Ambos querem trazer mais refugiados do Oriente Médio, e isso é muito perigoso para nós. Os pais de Omar Mateen eram refugiados afegãos e se radicalizaram aqui. Alguns dos terroristas que atacaram Paris também eram imigrantes;, lembrou ao Correio.

Perigo
O diretor da Agência Central de Inteligência (CIA), John Brennan, depôs no Congresso norte-americano e fez revelações alarmantes sobre o risco terrorista. Segundo ele, o Estado Islâmico (EI) pode recorrer a ;um grande quadro de combatentes ocidentais; para atacar os EUA. ;Infelizmente, apesar de todo o nosso progresso contra o ISIL ; outra sigla usada para o grupo ; no campo de batalha e no reino financeiro, nossos esforços não reduziram a capacidade de terrorismo e o alcance global do grupo;, admitiu.

Para Yves Trotignon, ex-agente do serviço secreto francês DSGE, o Ocidente assiste a um novo método de terrorismo, facilitado pelo aumento no número de jihadistas voluntários. ;São mais homens atuando sozinhos e cometendo atentados em pequena escala, mas com imensos efeitos políticos;, explica ao Correio. Ele reconhece que, ante serviços de segurança cada vez mais poderosos, o EI tem encorajado as ações terroristas. ;Os extremistas solitários têm representado um grande desafio para as autoridades, e as agências de inteligência se tornaram mais sobrecarregadas, o que cria oportunidades operacionais para a Al-Qaeda e para o EI.;


Ameaças pelo Facebook

O atirador Omar Mateen mantinha cinco contas no Facebook. Entrincheirado com 30 reféns dentro da boate Pulse, usou a busca do site para pesquisar os termos ;Pulse Orlando; e ;shooting; (;tiroteio;). Fez três publicações no Facebook. ;A América e a Rússia precisam parar de bombardear o Estado Islâmico (EI). Juro lealdade a Abu Bakri Al-Baghdadi. Que Alá me aceite.; Mateen avisou que ;os muçulmanos reais jamais aceitarão os modos imundos do Ocidente;. E ameaçou: ;Vocês matam mulheres e crianças inocentes... Agora, provem da vingança do Estado Islâmico;.


Eu acho...

;O diretor da CIA, John Brennan, está certo. Pessoas estão vindo da Síria e do Iraque para cometer ataques, planejados pelo Estado Islâmico e pela Al-Qaeda. E outros caras, que fugiram desses dois países, estão retornando à Europa, prontos para agir, sem qualquer missão clara. Apenas com o desejo real de atacar. Em 20 anos de contraterrorismo, nunca presenciei uma ameaça tão latente.;



Yves Trotignon, ex-agente do serviço secreto francês DSGE e
especialista em contraterrorismo


Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação