Busca por buraco negro na Via Láctea

Busca por buraco negro na Via Láctea

postado em 17/06/2016 00:00
 (foto: 
AFP
)
(foto: AFP )

O gigantesco telescópio Gravity, localizado no norte do Chile, será apontado em breve para o centro da Via Láctea para tentar comprovar a existência de um buraco negro supermaciço naquela região, que fica a 24 mil anos-luz da Terra. Astrônomos acreditam que o objeto, batizado de Sagitário A, tenha uma massa 4 milhões de vezes maior que a do Sol, concentrada em um espaço menor do que o ocupado pelo Sistema Solar.

Contudo, segundo os pesquisadores envolvidos no projeto, embora o objetivo seja comprovar a existência do buraco negro, a conclusão de que não há um objeto desse tipo na região ou um menor do que o estimado poderia ser um resultado ainda mais importante, pois forçaria a reelaboração das teorias sobre o comportamento dos corpos existentes no local.

;Queremos explorar a física da gravidade em um entorno extremo;, disse, à agência France-Presse, o diretor do projeto, Frank Eisenhauer, do Instituto Max Planck de Física Extraterrestre. O cientista está no Atacama acompanhando a instalação final do telescópio, que deve iniciar as observações em grande escala no ano que vem.

Os buracos negros são regiões no tecido do espaço-tempo onde a massa colapsa em uma área tão pequena que nada resiste ao seu poder de atração gravitacional. O fenômeno foi conceitualizado em 1873 pelo naturalista inglês John Michell, que descreveu estrelas obscuras tão massivas que nem mesmo a luz conseguiria escapar delas. O nome pelo qual esses objetos são conhecidos, porém, só surgiu em 1967, por sugestão do físico John Wheeler.

Os cientistas buscarão por mudanças na órbita das estrelas e gases e estrelas sendo engolidos pelo vazio. ;O que queremos é pôr à prova se a Teoria Geral da Relatividade, tal como Einstein a descreveu, é realmente válida;, comentou Eisenhauer. ;Se observamos algum movimento de matéria tão perto do buraco negro, será difícil dar qualquer outra explicação para ele.;

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação