Brasília-DF

Brasília-DF

por Denise Rothenburg » deniserothenburg.df@dabr.com.br
postado em 19/06/2016 00:00
 (foto: Daniel Ferreira/CB/D.A Press - 6/10/10 )
(foto: Daniel Ferreira/CB/D.A Press - 6/10/10 )

Discurso para o futuro

Cientes de que reverter o impedimento de Dilma Rousseff é missão praticamente impossível, os senadores petistas mudaram o foco na comissão especial do impeachment. Em vez da defesa pura e simples da presidente afastada, uma reunião recente fechou como estratégia tentar se diferenciar do governo Michel Temer na questão econômica, a fim de reconquistar o eleitorado com vistas a 2018. Integrantes do PT passaram, então, a dizer diariamente que, quando o partido era governo, havia uma preocupação maior com os programas sociais. As imagens estão prontas para compor o horário eleitoral deste ano nos municípios e da próxima eleição presidencial.

O governo Temer já percebeu esse jogo. Daí, a ideia de fazer um pronunciamento à nação, defendida por alguns ministros, para que Temer possa apresentar a real situação recebida da gestão de Dilma. O problema é que, com a Lava-Jato no calcanhar do governo e ministros caindo, está difícil centrar todo o fôlego nos assuntos econômicos. Os senadores petistas, hoje na oposição, têm mais tempo de organizar o discurso. Resta saber se vai colar.


Além das multas
A perspectiva de rejeição das contas eleitorais do PT deixa a área financeira do partido insone e não é apenas por causa da suspensão do fundo partidário ou do pagamento de multa. O que tira o sono é o risco de o partido perder a imunidade tributária e ser obrigado a pagar impostos de forma retroativa. Nos tempos do mensalão, quando essa hipótese foi levantada, o Congresso mudou a lei e ligou a suspensão da imunidade a decisões do TSE sobre as contas partidárias. Agora, pelo visto, não haverá escapatória. Os valores ainda não foram calculados, mas é coisa para milhões.


"O Brasil é grande, mas não sabe ser;
Gui Brandão, embaixador, do alto de seus 87 anos e com a experiência de quem já rodou o mundo


Ruim sem ela...
O governo age para tentar deixar em frequências diferentes as denúncias de pagamento de propina ao presidente do Senado, Renan Calheiros, e o processo de impeachment de Dilma. A ordem dos peemedebistas é, daqui para frente, repisar com mais ênfase aos senadores que os agentes econômicos esperam apenas o afastamento definitivo de Dilma para dar algum fôlego à economia.


Retorno I
Gilberto Kassab quer nomear o ex-ministro das Comunicações Juarez Quadros para o conselho diretor da Anatel. Quadros, um bem-sucedido consultor na área de telecomunicações e hoje muito ligado ao conselheiro da Anatel Anibal Diniz, já sinalizou que aceitaria o convite. Ele assumiu o ministério como titular do cargo em 1998, no governo Fernando Henrique, depois da morte de Sérgio Motta.


Retorno II
A ideia de Kassab é nomear Quadros na vaga de Rodrigo Zerbone, que termina o mandato em novembro. Quanto a João Rezende, o polêmico presidente da Anatel ligado ao ex-ministro Paulo Bernardo, Kassab não tem alternativa, a não ser mantê-lo. O período dele no colegiado termina apenas em dezembro de 2018.


CURTIDAS


Se dizem que nem cunhado é parente.../
Expedito Machado Neto, Dide, queria se filiar ao PSDB e disputar um mandato de deputado federal e, apesar da roubalheira do pai, pensou em manter o projeto. O senador Tasso Jereissati (foto), porém, vetou a filiação. Embora Dide seja casado com uma sobrinha da mulher do tucano, não é momento de misturar as coisas.

Dupla do barulho/ José Dirceu e Eduardo Cunha são vistos nos bastidores como ;aqueles que podem ajudar a passar o Brasil a limpo;. Cunha, dizem alguns, a partir de amanhã, começa a se preparar para essa etapa.

Por falar em Cunha.../ O número de delatores que menciona algum envolvimento de Eduardo Cunha no esquema da Lava-Jato já ultrapassou a casa da dezena.

Custo & benefício/ Com as eleições municipais logo ali, os pré-candidatos a presidente da Câmara fizeram as contas e descobriram que o eleito terá, na prática, menos de três meses no comando.







Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação