Ligação profissional e emocional com Brasília

Ligação profissional e emocional com Brasília

postado em 19/06/2016 00:00
 (foto: Valdir Messias/CB/D.A Press - 13/2/90)
(foto: Valdir Messias/CB/D.A Press - 13/2/90)




Morei 18 anos em Brasília, em dois períodos: 1970-1985 e 1987-1990. A cidade tem tudo a ver com minha trajetória. Foi aqui que comecei minha ascensão profissional, primeiramente no Banco do Brasil e depois nos ministérios da Indústria e do Comércio (1977-1979), e da Fazenda, neste, em dois períodos (1979-1985 e 1987-1990). Foi trabalhando na capital que me tornei ministro da Fazenda em um dos mais difíceis períodos da vida nacional.

Gosto muito da cidade e a vivi intensamente, apesar das dificuldades dos primeiros anos. Fui das primeiras turmas que se transferiram do Rio de Janeiro, no início dos anos 1970, quando o presidente Médici (1969-1974) decidiu consolidar a capital com a transferência definitiva de três organizações chave: o Banco do Brasil, o Banco Central e o Itamaraty.

Dois de meus filhos nasceram em Brasília. Nela moram três netos e o recente bisneto, o Daniel, filho da neta Paula. Foi aqui que fiz meu curso do Economia no CEUB. Brasília e o governo me deram a oportunidade de contribuir para avanços institucionais em áreas essenciais das finanças públicas. Liderei, entre 1983 e 1985, os estudos que resultaram no fim da ;conta de movimento; do Banco do Brasil, na consolidação do Banco Central como autoridade monetária clássica, na extinção do Orçamento Monetário ; uma aberração institucional ; e na criação da Secretaria do Tesouro Nacional.





Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação