Eixo capital

Eixo capital

Ana maria campos/anacampos.df@dabr.com.br
postado em 19/06/2016 00:00
Rollemberg ainda é a primeira opção do eleitor

Com a crise financeira e o caos político nacional, analistas avaliam que o antigo grupo rorizista pode voltar com força às disputas eleitorais do Distrito Federal. Mas uma pesquisa da O Brasil, a que a coluna teve acesso, aponta que não surgiram até o momento nomes no cenário local com força para virar o quadro atual. Rodrigo Rollemberg (PSB) lidera todos os cenários apresentados ao eleitor no levantamento. O instituto incluiu na pesquisa apenas os nomes lembrados para concorrer ao Palácio do Buriti, em 2018. Dessa forma, embora sejam fortes na política local, os senadores Cristovam Buarque (PPS) e José Antônio Reguffe (sem partido) não foram testados. Concluída em 13 de junho, a pesquisa ouviu mil pessoas, com margem de erro de 3,1 pontos percentuais. Veja os resultados:


Cenário 1

Rodrigo Rollemberg (PSB) 16%
Robson Rodovalho (PP) 11,5%
Érika Kokay (PT) 10,4%
Alberto Fraga (DEM) 10,2%
Rogério Rosso (PSD) 9,5%
Izalci Lucas (PSDB) 5,2%
Tadeu Filippelli (PMDB) 4,6%
Chico Leite (Rede) 4,1%
Renato Rainha 1,9%
Nenhum 24,2%
Indeciso, não sabe ou não respondeu 2,6%


Cenário 2

Rodrigo Rollemberg (PSB) 21,1%
Rogério Rosso (PSD) 13,1%
Chico Leite (Rede) 8,5%
Izalci Lucas (PSDB) 7,0%
Geraldo Magela (PT) 5,8%
Tadeu Filippelli (PMDB) 5,3%
Nenhum 33,9%
Indeciso, não sabe ou não respondeu 5,1%



Cenário 3

Rodrigo Rollemberg (PSB) 18,1%
Rogério Rosso (PSD) 11,6%
Robson Rodovalho (PP) 10,9%
Celina Leão (PPS) 10,8%
Chico Leite (Rede) 6,1%
Izalci Lucas (PSDB) 6,0%
Geraldo Magela (PT) 4,0%
Nenhum 28,4%
Indeciso, não sabe ou não respondeu 4,3%



Fator surpresa

Um dado chama a atenção na pesquisa sobre disputa ao Buriti: entre 24,2% e 33,9% não querem nenhum dos candidatos apresentados. E se surgir uma novidade?

Saúde e segurança pioraram

No sentimento da população, duas áreas consideradas estratégicas estão em situação mais crítica hoje do que no governo passado. Para 78,7% da população, a saúde piorou. No caso da segurança pública, metade dos moradores da capital acha que a criminalidade avançou. O percentual registrado foi de 50,1%. A surpresa é a área de mobilidade. Para 22,8%, o transporte melhorou. Foi o maior índice positivo entre os setores pesquisados.



Derrota para Lula

A pesquisa O Brasil indica que o ex-presidente Lula não tem vez no Distrito Federal. Se a eleição fosse hoje, o líder petista perderia no segundo turno para todos os candidatos apresentados, segundo a avaliação dos eleitores da capital do país. Numa eventual disputa com Marina Silva (Rede), o resultado seria 54,4% contra 19%, para Lula. Outros 25,8% não souberam responder. No páreo com o tucano José Serra, Lula alcançaria 24,6%, contra 41,1% do senador paulista. Nesse caso, a dúvida foi maior: 34,5% não escolheram nenhum dos dois.



Estrela chamuscada

Depois de quatro anos do governo de Agnelo e um impeachment contra a presidente Dilma, o petismo na capital parece ter chegado ao momento de maior rejeição de sua história. Na pesquisa O Brasil, apenas 7,7% dos entrevistados declararam simpatia ao partido da estrela vermelha. Quase metade (43,1%) da população apontou rejeição forte ao PT.


Ficha-limpa para homenagens

O deputado Roosevelt Vilela (PSB) quer criar uma espécie de regra da ficha-limpa para homenagens a personalidades no Distrito Federal. Projeto de iniciativa do distrital proíbe a concessão de qualquer honraria a pessoas que tenham sido condenadas por ato de improbidade ou crime de corrupção, quando não couberem mais recursos judiciais. Também fica vetado quem tiver praticado tortura, exploração do trabalho escravo ou violação dos direitos humanos.



Mandou bem

O professor de direito Thomas Bustamante levou na esportiva a gafe do advogado José Eduardo Cardozo, que ao citá-lo na defesa da presidente Dilma Rousseff, o chamou de Thomas ;Turbando;. ;Me lembrou alguns dos ;carinhosos; apelidos que a gente recebe na adolescência;, registrou Bustamante nas redes sociais.



Mandou mal

Mais um integrante do primeiro escalão da equipe do presidente Michel Temer deixou o cargo. Já são três. Henrique Eduardo Alves pediu demissão do Ministério do Turismo depois de ser denunciado pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, por crimes de lavagem de dinheiro e evasão de divisas em razão de conta que ele teria na Suíça.



Enquanto isso... Na sala de Justiça

O ministro Bruno Dantas, do Tribunal de Contas da União (TCU), coordena amanhã debate sobre soluções para o excesso de processos em tramitação no pa

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação