Como reagir após ser desativado?

Como reagir após ser desativado?

postado em 19/06/2016 00:00
Auxiliar de escritório numa empresa de venda e manutenção de equipamentos odontológicos, Layane Vasco, 19, está cumprindo aviso-prévio em seu primeiro emprego com carteira assinada. A experiência durou um ano e acabou por conta da crise. ;Comigo, outro colega foi dispensado. Nosso chefe nos chamou para almoçar e deu a notícia. Ele disse que a empresa estava no vermelho desde o início do ano e que teria que nos dispensar, pois éramos os dois funcionários com os maiores salários;, conta. O momento foi delicado. ;Nosso gestor, que é também o dono da empresa, chorou. Fui pega de surpresa porque não moro mais na casa dos meus pais, eu me casei e tenho contas para pagar;, diz. No entanto, ela entendeu os motivos do superior e sente gratidão.

;A situação do país está crítica. Sou muito grata por tudo que ele fez por mim. Com uma carta de recomendação e todos os direitos pagos, estou procurando uma nova colocação;, conta ela que, por conta das novas regras da seguridade social, não terá direito ao seguro-desemprego. A reação de Layane está entre as mais comuns após uma demissão. ;Emocionar-se e lamentar é a regra, chorar e tentar convencer o chefe é a exceção;, percebe Minarelli. ;De modo geral, as pessoas intuem que há algo errado ; porque o chefe não sorri mais, não o convida para reuniões ou vê outros indícios;, diz. ;As pessoas ficam mais revoltadas quando são demitidas por um problema comportamental. Se é por conta da crise, todo mundo se abraça;, observa Catia Moreira Wanderley, consultora de RH.

Revoltar-se é muito perigoso. ;O melhor é manter as portas abertas e abusar do autocontrole. O maior beneficiado disso é você: o modo como você encerra a relação de trabalho influencia as chances de recolocação. O antigo chefe é a grande referência adotada por muitas empresas;, observa. A conversa de desligamento não é hora de lavar a roupa suja. ;Se o gestor der abertura para um feedback, fale, com polidez; caso contrário, não é o momento de falar o que ficou entalado até ali, nem despejar verdades sobre o chefe e os colegas. Mas você pode pedir que ele avalia você.; Tentar apelar para as dificuldades financeiras a fim de reverter a demissão não é efetivo.

Seguindo em frente

Depois de passar muito tempo em temporada numa peça, um ator precisa ensaiar bastante, pois estava acostumado a um papel e terá que se preparar para outro, num elenco diferente e num palco novo. Assim também é a transição de carreira: é necessário tempo para mudar de papel. José Augusto Minarelli, da Lens & Minarelli, orienta que a primeira atitude que um profissional deve tomar após ser demitido é reservar um período para si. ;Não ceda ao ímpeto de pegar sua lista de contatos e disparar o currículo. Antes, recomponha-se e defina o que deseja para a próxima etapa da sua carreira;, diz. Depois de um desligamento, as pessoas são encaradas com três perguntas que não podem ser evitadas, mas podem ser respondidas com mais cuidado: como você está, o que aconteceu na empresa, e o que você está fazendo.

;A resposta ao primeiro questionamento deve ser curta: ninguém está interessado numa longa história sobre seus problemas;, observa Minarelli. ;A segunda pergunta deve ser respondida de forma breve, mas verdadeira; muita gente usa o demitido como fonte de informações sobre a empresa, então não perca muito tempo falando da falecida e não suje a imagem dela, pois faz parte da sua trajetória. Se não for por conta da crise, mas por uma falha sua, você precisa ser honesto com os empregadores; com outras pessoas, não entre em detalhes ; diga que houve uma reorganização;, recomenda. Por fim, para o terceiro questionamento, a dica é assumir a procura por trabalho como prioridade. ;Diga qual cargo está buscando e o que está fazendo para alcançá-lo. Saiba que a vitimização não ajuda em nada;, conclui.


"O melhor é manter as portas abertas e abusar do autocontrole. o maior beneficiado disso é você: o modo como você encerra a relação de trabalho influencia a recolocação;
Catia Wanderley, consultora de RH




Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação