Da editora

Da editora

postado em 19/06/2016 00:00
Para os dependentes de álcool, parar de beber é, antes de tudo, reconhecer-se doente. Olhar para si próprio e enxergar algo além da imagem, por vezes já desgastada pelo abuso de bebida. Ver que é movido por algo além de sua própria vontade. Há um querer muito forte por trás dessa nova visão de si mesmo. O desejo é de salvação do resto de vida que há. Essa é a primeira vitória. Por muitas vezes, o restante do trajeto não é bem-sucedido. As recaídas são piores. Mas o ato de insistir pode levar a um estágio muito mais prazeroso do que a abstinência. Falamos, eu e Renata Rusky, a respeito da sobriedade. Leia nas páginas 22 a 27.

Bom domingo e boa leitura!

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação