Maradona: "Se não ganharmos, que os jogadores não voltem"

Maradona: "Se não ganharmos, que os jogadores não voltem"

postado em 24/06/2016 00:00
 (foto: Patrick Kovarik/AFP - 9/6/16)
(foto: Patrick Kovarik/AFP - 9/6/16)


No aniversário de 30 anos do gol feito com a ;mão de Deus; contra a Inglaterra, como ficou popularmente conhecido o lance que deu a vitória à Argentina nas quartas de final da Copa do Mundo de 1986, o canal argentino C5N convidou Diego Maradona ontem para um programa especial. Durante a entrevista, o fantasma do jejum de 23 anos sem títulos da seleção principal do país retornou.

Perguntado sobre as chances de a seleção do técnico Tata Martino levantar a taça da Copa América Centenário, domingo, em Nova Jersey, na final contra o Chile, o ex-jogador foi incisivo: ;Claro que vamos ganhar domingo. E, se não ganharmos, que os jogadores nem voltem (ao país);.

A conversa aconteceu um dia depois da goleada da Argentina por 4 x 0 sobre os Estados Unidos, nas semifinais, e horas antes de a seleção chilena superar a Colômbia por 2 x 0 e também assegurar classificação para a decisão.

O último título da seleção principal argentina foi a Copa América de 1993, no Equador, que confirmou o bicampeonato continental, após a taça obtida em 1991, no Chile. Desde então, a equipe nacional disputou 15 torneios oficiais, com sete Copas América (em 1995, 1997, 1999, 2004, 2007, 2011 e 2015), seis Copas do Mundo (em 1994, 1998, 2002, 2006, 2010 e 2014) e duas Copas das Confederações (1995 e 2005).

Destas competições, foi vice-campeã em seis delas, sendo derrotada pelo Brasil em três oportunidades (Copas América de 2004 e 2007 e Copa das Confederações de 2005). No mesmo período, no entanto, conquistou três das quatro medalhas olímpicas de sua história, com os ouros em Pequim-2008 e Londres-2012 e a prata em Atlanta-1996.

Ontem, a AFA comunicou que Ezequiel Lavezzi passará por cirurgia hoje, em Nova York. O jogador sofreu uma fratura no cotovelo esquerdo depois de cair em decorrência do tropeço em uma placa de publicidade.

Messi reclama
Enquanto Maradona cobra o título, Lionel Messi não parece satisfeito com o tratamento dado pela Associação Argentina de Futebol à Seleção. Na tarde de ontem, o melhor do mundo não escondeu sua insatisfação com o atraso no voo de Houston para Nova York, e criticou dirigentes da AFA. "Uma vez mais esperando em um avião para tentar sair ao destino. Que desastre são os da AFA, por Deus", escreveu Messi.

Ao lado do craque está seu companheiro inseparável Kun Agüero, que mostrou o horário local (18h18, 20h18 de Brasília) no celular.

Em comunicado, a AFA afirmou que o atraso se deveu a "questões climáticas" e que os traslados são de responsabilidade da organização da Copa América Centenário.

A chegada da Argentina estava inicialmente prevista para 23h (de Brasília) no hotel em Nova Jersey, onde ficará hospedada até a decisão de domingo, mas obviamente atrasou. O voo dura aproximadamente 3h30. Hoje, pela manhã, a seleção tem programado um treino no CT Quest Diagnostics.



Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação